English Version

CASA EM GOIÂNIA SE INTEGRA À PAISAGEM

07/10/2016

O audacioso projeto desta residência abraça referências distintas sem se amarrar a convenções. Formas e volumes surgem conectados de forma original para compor um espaço lúdico, autêntico e libertário

Uma casa dos sonhos. Ou, nas palavras de seu autor, o arquiteto Leo Romano, “um voo de liberdade”. Esses são jeitos de definir o desejo de subversão formal e conceitual presente neste projeto de 434 m² em Goiânia. A ousadia da empreitada reflete a vontade do casal de proprietários de ter uma morada com personalidade, autonomia estética e espírito livre, mas plenamente usufruída em cada canto.

Para dar conta das demandas, a primeira medida do escritório Leo Romano Interiores e Exteriores foi pensar uma estrutura sem rigidez de hierarquia entre os cômodos sociais. “Tudo é interligado e descontraído, sem divisões muito rigorosas”, explica Leo.

Em registro de homenagem, a proposta dialoga com a arquitetura pública de Brasília, mais especialmente aquela assinada por Oscar Niemeyer. Também há referências à Casa Edmundo Cavanelas, em Petrópolis, RJ, de 1954, outro notório trabalho do arquiteto carioca. “A concepção com apelo modernista se revela na piscina e nos canteiros sinuosos, nos pilares em forma de Y e na laje curva sobre a área social. Ela faz um contraponto entre peso e leveza. É como se estivesse flutuando no ar”. Essa sensação resulta da faixa de vidro que contorna a sala e a cozinha, fazendo a transição entre as paredes e o teto.

A expressão libertária da construção encontra ainda outra manifestação no paredão de escalada instalado na garagem. “O morador já deu aulas dessa modalidade. O casal e as duas filhas pequenas praticam a atividade dentro da casa”, conta o arquiteto.

Assim como nas notáveis moradias de Niemeyer, aqui também foi priorizada a simbiose com a topografia e a paisagem. Essa interação proporciona um passeio sensorial aos visitantes. “No percurso, iniciado na entrada do condomínio, os convidados caminham por um jardim e passam por um túnel de palmeiras antes de chegar ao deck de ipê com piscina por onde se acessa a residência”, explica Leo. “É como uma preparação para um estado de espírito diferente”, conclui.

Matéria publicada pelo jornalista: Renato Bianchi da, Arquitetura & Construção em 20 de setembro de 2016

1°FOTO. Instalada num condomínio fechado de frente para a mata, em Goiânia, a residência propõe um diálogo harmonioso entre arquitetura e natureza, observando as condições físicas e topográficas, assim como a orientação solar e a dos ventos. O volume foi definido a partir da escolha do concreto como elemento construtivo principal.

2° FOTO. Não há uma entrada definida. A casa pode ser acessada pela varanda ou pela garagem.

3° FOTO. As quatros suítes ficam no volume perpendicular de concreto, envelopado pelos brises metálicos pintados no tom chocolate. Deck de ipê.

4° FOTO. Também de concreto, os pilares em Y foram escolhidos porque eram necessários quatro pontos de apoio e o arquiteto não queria tocando ao chão.

5° FOTO. Ao optar pelo uso comedido de revestimentos, a proposta assume o aspecto natural e rústico dos materiais. Na paleta, apenas marrom, cinza e preto. “Brincamos com cores somente na cozinha, sobretudo nos armários laqueados”, diz Leo Romano.

6° FOTO. A varanda com degraus simula uma arquibancada e convida à contemplação da paisagem privilegiada.

7° FOTO. O pórtico de freijó entre a sala de jantar e a cozinha camufla o lavabo e o guarda-louças.

8° FOTO. O projeto exibe poucos revestimentos: cimento laminado no piso, concreto na estrutura, madeira nos móveis e no deck e pedra portuguesa no percurso de entrada e terreno.