English Version

ALTA PERFOMANCE

29/03/2016

O escritório de arquitetura paulistano FGMF criou cozinhas para chefs de perfis variados

Existem cozinhas que prioridade a funcionalidade. Em outras, o componente estético é fator preponderante. E há ainda aquelas nas quais encontrar o justo equilíbrio entre razão e emoção se torna prioridade máxima. A essa categoria pertencem os três projetos que ilustram esta edição e que levam a assinatura do escritório paulistano FGMF.

“A cozinha representa hoje na casa o que o home theater representou na década de 1990”, afirma um dos sócios do FGMF, o arquiteto Fernando Fortes, que nos últimos tempos tem constatado um aumento exponencial de interesse pelo projeto do ambiente. “Nesse sentido, ela até pode ser vista como área de lazer, mas também como zona de alta performance, exigindo desenho e equipamentos específicos. O que, em última análise, define o projeto é o nível de envolvimento do morador com o ambiente.”

No caso do casal de baianos que mora em um apartamento reformado pelo escritório em Higienópolis, o que pesou foi o desejo dos moradores de ter uma cozinha com ares da casa. “Dali já saíram carurus inesquecíveis para celebrar São Cosme e Damião, no dia do aniversário do proprietário do imóvel”, conta outro dos sócios do escritório, o arquiteto Rodrigo Marcondes Ferraz. Assim, azulejos coloridos e paredes descascadas foram providencialmente encomendados para fazer a proprietária lembrar da antiga casa de seu pai, em Salvador. Bem como os conduítes aparentes. Só que, no caso, atendendo a uma necessidade de projeto. Já a distribuição interna, mais do que bem-vinda, permitiu que os amigos mais próximos pudessem se sentar ao redor do fogão para conversar e comer.

No entender dos moradores – tanto aprazível que as refeições do dia a dia nem passam perto, da mesa de jantar. São feitas diretamente na cozinha. Isso, claro, quando o ambiente está em pleno funcionamento. “Em outras ocasiões, é só baixar a porta metálica de enrolar”, pontua Fortes.

Na escala de interesse pelo ambiente proposta pelo arquiteto, existe, no entanto, outro apartamento que alcançou maior pontuação. “Trata-se de uma cozinha encomendada para um jovem casal morador de Moema. A obra já acabou, mas os únicos ambientes totalmente finalizados foram a cozinha e o quarto da primogênita do casal, Maia”, conta Marcondes Ferraz.

Toda a decoração restante do apartamento foi deixada para um segundo momento. Já a cozinha, remetendo em todos os seus detalhes a uma locação industrial, estilo atualmente em alta, tem sido alvo de todos os elogios. Mas, ainda assim, se pretende, fundamentalmente, funcional e verdadeira. “Aqui tudo funciona, tudo é usado, nada existe por caso. O projeto foi fielmente ajustado às minhas necessidades”, conta a proprietária.

De pendente mesmo, ela só aguarda a chegada de sua horta, que será acomodada em vasos pendurados na tubulação de cobre sobre a bancada e no forro em forma de grelha, assim como algumas poltronas, capazes de tornar ainda mais confortável o café da manhã servido no espaço.

Mas segundo os arquitetos, foi em um projeto recentemente concluído, no Sumaré, que a paixão pelo cozinhar alcançou sua expressão máxima. “A cozinha foi um dos principais parâmetros do projeto. Para o proprietário, um gourmet com aspirações a chef, era fundamental colocar o ambiente em destaque, para que todos os frequentadores da casa pudessem atestar, a todo momento, sua performance como cozinheiro”, destaca Lourenço Gimenes, o terceiro dos sócios do FGMF.

Surgiu assim uma cozinha de uso exclusivo do dono da casa, com compartimentos específicos para acomodar os mais diversos itens, totalmente integrada à área de estar. Um ambiente similar, ligado a ela por meio de uma passa pratos, foi construído apenas para atender aos demais membros da família.

“Ele exigiu ainda espaço para acomodar sua coleção de livros de gastronomia, suas panelas e demais acessório especiais. Mas seu desejo inconfessável era contar com uma bancada extensa, para que todos os amigos pudessem acompanhar bem de perto o preparo acompanhar bem de perto o preparo dos pratos. Para, só então, migrarem para a mesa de jantar”, conclui Gimenes.

Cuidados ao planejar o ambiente

Ilhas

Antes de optar por instalar uma ilha no centro do ambiente certifique-se, com o responsável técnico, da viabilidade do projeto. Ilhas devem ser abastecidas com tubulações elétrica, hidráulica, de gás e esgoto. Sem contar a específica para a coifa. Nem sempre, no entanto, espaços já construídos oferecem todos esses requisitos ou permitem adaptações. Além do mais, executadas rasgos em lajes ou optar pela construção de forros podem significar gastos extras.

Coifa

É equipamento fundamental dentro de uma cozinha planejada, especialmente se esta for aberta para outros ambientes. Exige, no entanto, diversos requisitos para sua instalação, sendo o principal deles a possibilidade de passagem de tubulação específica no teto para o escoamento da fumaça, o que pode ser dificultado pela presença de vigas ou se o pé-direito for muito baixo.

Conduítes e demais tubulações aparentes

Embora em alta como recurso decorativo, podem se tornar uma operação onerosa, uma vez que devem ser instalados com todo o esmero por permanecerem aparentes. Demandam também projeto específico, para não acabar sugerindo uma gambiarra.

Pisos

Antes da escolha do revestimento, é fundamental considerar a frequência e modalidade de utilização do ambiente. Quanto maior o uso, maior deve ser a resistência do piso não só à abrasão, mas também a agentes externos como gordura e umidade. A preocupação deve ser redobrada em caso de cozinhas anexas a ambientes como salas de estar ou de jantar. No caso, o melhor a fazer é optar por uma faixa intermediária de piso, para manter a continuidade visual entre os espaços.

Iluminação

O ideal é contar com projeto específico, contemplando iluminação geral, mas também pontual e dirigida, de preferência, com acionamento em separado. Em qualquer situação, no entanto, opte por lâmpadas com bom IRC (Índice de Reprodução de Cores), indicado pelos fabricantes na embalagem dos produtos. O cuidado evita distorções na percepção visual dos alimentos.

Componentes prontos X sob encomenda

Pense duas vezes antes de encomendar peças feitas sob medida. A aparente economia pode sair bem cara, principalmente no que se refere a ferragens e acabamentos. Contar com o kno-how de empresas especializadas é importante, principalmente, em itens de difícil execução, como gaveteiros.

Matéria publicada pelos jornalistas Marcelo Lima e Natália Mazzoni do O Estado de São Paulo em 20 de março de 2016