English Version

OBRAS DE ARTE QUE SOBEM PELAS PAREDES

01/12/2015

A superfície em branco é um convite à imaginação! Você já sabe que é possível incrementá-la com pintura convencional, papel, tecido, adesivo... Mas que tal apostar em uma ideia ainda mais criativa e exclusiva? Os projetos a seguir ilustram o potencial da pintura artística na decoração – e mostram que esse luxo pode sim, ser acessível

Para exibir com orgulho

Em busca de algo único para embelezar sua sala de jantar, a estudante Bruna Namur Kerikian se encantou com o portfólio de Gusta Vicentini. Encomedou, então, um desenho de pavão, que ganhou um toque especial: o artista visual teve a ideia de fazer com que a obra dialogasse com os cobogós vizinhos. A pintura azul na parede do cômodo ao lado, visível através das frestas dos elementos vazados, também entrou na dança, ajudando a definir a paleta – por coincidência, essa cor se chama Pluma de Pavão (ref. 16BG 24/357), da Coral. “Foi quase um presságio”, brinca a moradora. Munido de tinta spray nos tons Turquesa, Verde Virgem, Azul Oscuro a Azul Marino, da Montana, e de uma lata de Látex PVA azul-marinho para fazer o fundo, Gusta executou o trabalho em uma tarde. Por um projeto similar, de mesmas dimensões (1,90 x 2,20m), ele cobra a partir de R$ 900, incluindo material.

Segredos do artista

“A criação é minha, tem meu estilo, mas o ponto de partida é sempre a personalidade do cliente”, afirma Gusta, que aponta o grafite como inspiração inicial de seu trabalho. Depois de traçar um esboço em papel, ele faz os desenhos à mão livre e usa estêncil – molde recortado em papelão ou acetato – para pintar padrões, como as penas do pavão.

Cercado de arte

Quando decidiu reformar sua casa, o designer Gráfico Lucas Romano avisou ao amigo Gusta Vicentini que deixaria umas das paredes reservada para ele pintar – a escolhida fica no quintal, “o canto mais frequentado quando há visitas”, segundo o morador. Com carta branca para soltar a criatividade, Gusta elaborou um painel com um cervo e folhagens, usando tinta spray nos tons Negro, Amarelo Eldorado, verde Virgem, Turquesa e Vermelho Fiebre, da Montana. De quebra, sugeriu fazer ainda uma ave cercada por gravetos em outra superfície da área externa. “Dá para ver as duas pinturas de vários pontos de casa, então é como se a arte ficasse do lado de dentro também”, aprova Lucas. No total, o trabalho levou dois dias para ficar pronto – um similar, incluindo os dois murais (2,55 x 3,50 m e 2,55 x 3m) e o material, custa a partir de R$ 2.000.

Em casa de grafiteiro...

A parede branquinha não combinava com o quarto de um artista visual, por isso Renato Ahoop decidiu mudar o cenário. “Imaginei o que queria, peguei umas dez cores de tinta o spray e comecei a surtar”, brinca. O resultado é um painel com jeitão de arte urbana, arrematado por losangos pintados nos móveis. Completando a integração com o ambiente, um nicho foi fixado para parecer se encaixar na mão de Bocão, apelido do personagem azul. Por um trabalho similar (2,50 x 2,20m), ele cobra por volta de R$ 1000 (material incluso).

Contra a poluição visual

O estilo cartunesco é o traço mais marcante no trabalho de Renato, que, ao contrário do que fez e seu próprio refúgio, sempre rabisca esboços antes de executar um projeto profissional. Essa obra que tem em casa, no entanto, serve de referência para os clientes. “Uso para mostrar que é importante a pintura deixar algum espaço livre. Do contrário, fica muito carregada”, aponta.

Uma vista e tanto

Assim que comprou a casa, a farmacêutica Débora Caetano decidiu: o quarto do filho, Phillipe, teria um céu no teto. Para conquistá-lo, pintou-o com tinta acrílica na cor Relâmpago Azul (ref. 10 BB 09/250), da Coral, e colou estrelas de plástico. “Mas não gostei do resultado, ficou muito artificial. Queria algo mais realista”, diz. Entrou em cena Viviani Queiroz, do estúdio. A Casinha, que aproveitou o fundo existente e, a partir de uma foto, reproduziu um céu com nebulosas, usando tinta branca com corantes para criar a paleta azul, violeta e laranja. “Cada pincelada é um trabalho único”, elogia a moradora, que arrematou a obra com um plafon básico. Uma pintura semelhante (3,50 x 3) custa em torno de R$ 1100 (com material).

Fofura tamanho família

Para receber o pequeno Francisco, hoje com pouco mais de um ano, a publicitária Thaissa Alvarenga queria decorar as paredes do quarto, mas, ao mesmo tempo, desejava fugir de opções mais tradicionais. Assim, convocou Viviani, do estúdio A Casinha, para fazer o desenho de um urso. A artista propôs que o simpático bicho ganhasse a companhia de um leão. “Adorei também a sugestão dela de usar amarelo em vez do bege que eu pedi inicialmente – deixou a pintura mais viva”, comemora a moradora. A obra de 4 x 2,60m foi executada em um dia, com tinta acrílica misturada com corante. Um projeto similar vale a partir de R$ 800, incluindo material.

Parceria de ponte aérea

A Casinha tem duas sedes: em São Paulo, lar da artista plástica Viviani Queiroz, e no Rio de Janeiro, onde mora sua sócia, a cenógrafa Fernanda Ladeira. Mesmo à distância, elas trocam ideias e referências. “Uma dá pitaco no trabalho da outra. Quando é algo maior, como um mural, executamos a pintura juntas”, conta Vivi. O ponto em comum é que todos os projetos são feitos à mão livre, sem uso de estêncil nem projetor.

Beleza é fundamental

Em seu trabalho como visagista, Sayuri Odo cuida para que suas clientes fiquem com o visual impecável, do cabelo à maquiagem. Nada mais natural, portanto que, na hora de renovar a fachada de seu estúdio, ela tivesse o mesmo esmero. Assim, chamou o grafiteiro Arthur R-Dois, que teve toda a liberdade para personalizar a superfície de 9m de altura. A pintura exigiu um andaime e três dias de trabalho, além de tinta esmalte à base de água, para os trechos maiores, e spray, para os detalhes. “Ambas funcionam bem sobre alvenaria e têm acabamento similar”, aponta o artista. “Para mim, é uma obra de arte ao ar livre”, afirma. Por um painel semelhante, Arthur cobra a partir de R$ 100 m², incluindo material.

Galeria a céu aberto

Antes de se tornar designer gráfico, Arthur R-Dois já vinha se dedicando ao grafite desde os anos 1990. Hoje, além de seus próprios projetos realiza outros sob encomenda. “O mais legal de um trabalho de rua é o fato de que muitas pessoas passam por ele e o veem, mas cada uma o interpreta à sua maneira”, considera.

Mais cores na paleta

Em suas obras autorais, criadas em paredes, mas também sobre tela, papel e outros suportes, Márcio Ficko gosta de explorar abstrações geométricas em azul e vermelho. “Mas em trabalhos profissionais, como o mostrado aqui, abro o leque de cores, de acordo com o gosto do cliente ou com a paleta já presente no ambiente”, explica.

Uma pra ela, uma pra ele

Admiradores dos grafismos do amigo e artista plástico Marcio Ficko, a advogada Denise Rodrigues e o técnico de qualidade Alexandre Wagner encomendaram uma pintura para a sala de jantar – o único pedido foi que incorporasse as cores preferidas do casal.

Assim, Marcio utilizou tinta spray em cinco tons de verde e cinco de azul, todos da Colorgin. “A combinação ficou harmoniosa, decoramos o restante do cômodo a partir dela”, diz o morador. Uma obra similar, medindo 2,10 x 2,60m, custa a partir de R$ 800, e fica pronta em cerca de cinco horas.

Matéria publicada pela jornalista Mônica Torres da Revista Minha Casa em agosto de 2015