English Version

NOSSOS RIOS: ÁGUAS OCULTAS

04/09/2015

“NOSSO TRABALHO É EMOCIONAR AS PESSOAS E RECRIAR A AFEIÇÃO PELA NATUREZA QUE PASSA BEM DEBAIXO DE NOSSOS PÉS” (JOSÉ BUENO – ARQUITETO)

Poucos sabem, mas, em São Paulo, cerca de cursos correm sob o asfalto. Um geógrafo e um arquiteto querem abrir os olhos da população para essa realidade com o projeto Rios e Ruas. Em tempos de crise hídrica, topar com um considerável volume de água escorrendo pela sarjeta aflige qualquer um. Os mais atentos se perguntam de onde vem tamanho desperdício. Talvez a resposta seja que, naquele ponto, está tentando voltar à superfície um dos cursos que cruzam a capital paulista – número apontado pela prefeitura, porém contestado pelo geógrafo Luiz de Campos Júnior e pelo arquiteto José Bueno. Para eles, a quantia é ainda maior. Desde, os dois são os responsáveis pelo Rios e Ruas, que promove palestras e expedições urbanas para mostrar a crianças e adultos onde ficam escondidos nascentes, rios, riachos e córregos. Embora mais de se encontrem tampo nado sou canalizados, todos são visíveis. Como Luiz ensinou a José quando se conheceram, basta observar: numa região alta, onde se enxerga bastante céu, busque vegetação e temperatura amena. Plantas típicas de áreas úmidas, como taioba e tapiá, indicam que há rio por perto. “Essas águas parecem aguardar a correção de nosso grande erro de ocultá-las, consequência da rápida expansão da malha metropolitana”, diz o arquiteto. Segundo a dupla, mesmo pequenos canais podem hidratar a cidade. “Massó serão abertos se as pessoas pedirem. Para isso, elas precisam conhecê-los”, complementa o geógrafo.

MARGENS PLÁCIDAS DO IPIRANGA

Em setembro do ano passado, a iniciativa organizou uma pedalada nas redondezas do riacho citado no Hino Nacional, que nasce entre o Zoológico de São Paulo e o Jardim Botânico e segue até desaguar no Tamanduateí.

RIACHO DAS CORUJAS

Principia na Rua Heitor Penteado e corre a céu aberto nas praças Dolores Ibarruri e Rui Washington Pereira. Uma horta comunitária, regada coma água limpa da nascente, funciona por ali.

Matéria publicada na revista Casa Claudia em maio de 2015