English Version

CIDADE CONECTADA

07/08/2015

Aplicativos de smartphone podem ser aliados na hora de desbravar São Paulo. Selecionamos 21 deles para você enfrentar o trânsito, conhecer a arte urbana, poluir menos e até fugir de alagamentos.

Quando Nani Rodrigues, sócia-diretora da produtora de vídeos Doberman, quer conhecer um novo lugar na capital paulista, tira iPhone da bolsa e abre o Foursquare. No aplicativo, ela tem salvos os pontos em que pretende passear. Definida a programação, pede um táxi via 99Taxis, que, ao informar o momento exato no qual o carro chegará, evita que Nani espere à toa na rua. Para seguir pelo trajeto mais rápido, digita, então seu destino no Waze e visualiza a melhor rota. “Outro app de que gosto é o Field Trip, que notifica quando estou perto de um lugar historicamente importante. Aliás, ele lançou outra funcionalidade interessante: indica também locais onde mulheres fizeram história e explica suas conquistas ali”, conta. O relações-públicas André Gomes possui relato semelhante. Baixou um aplicativo de mobilidade num momento de desespero, quando se perdeu num bairro desconhecido. “Eu me surpreendi porque ele me guiou com a precisão de um GPS, mas só funcionou conectado à internet”, pondera mostrando uma característica negativa observada por outros usuários. Você se identificou? Cada vez mais, as duas narrativas são típicas de moradores de São Paulo, a cidade com o maior número de aparelhos celulares ativos do Brasil, segunda a Agência Nacional de telecomunicações (Anatel). E dão boa medida de como, na prática, a tecnologia passou a mediar a relação dos habitantes da capital tanto uns com os outros quanto com espaço urbano. A novidade nessa seara é que as frentes de tal interação não param de crescer e se sofisticar – hoje, há quem use os programas visando apontar e solucionar problemas da cidade, modificar políticas públicas e até quem os utilize como guia para, contornar barreiras impostas por deficiências físicas. São usuários que, para viver melhor, exploram as diversas possibilidades oferecidas por esta metrópole conectada, pela qual você passeará nas próximas páginas.

matéria publicada na revista arquitetura & construção em maio de 2015.