English Version

CASA COR SP: BRISES INTEGRAM AMBIENTE DE DAVID BASTOS À NATUREZA

22/07/2015

Com 74 m², pavilhão de David Bastos tem brises e armação de madeira de reflorestamento. A proposta funcional pode ser adaptada a diversos climas e paisagens do Brasil.

Brises convidam a morar perto da natureza: o estilo rústico do arquiteto David Bastos se expressa na proposta funcional, pensada para se adaptar aos mais diversos climas e paisagens do Brasil. Projeto de David Bastos.

Em vez de laje, a base da casa emprega painel wall (placa pré-moldada de 4 cm de espessura). Sobre este, um contrapiso leve acomoda as chapas de limestone oasis gold. Assentada em argamassa fofa, a rocha pode ser retirada e usada novamente. Projeto de David Bastos.

Em vez de laje, a base da casa emprega painel wall (placa pré-moldada de 4 cm de espessura). Sobre este, um contrapiso leve acomoda as chapas de limestone oasis gold. Assentada em argamassa fofa, a rocha pode ser retirada e usada novamente. Projeto de David Bastos.

Não à toa, o espaço criado pelo arquiteto baiano, que mantém escritório também na capital paulista, chama-se Casa do Bosque. Inserido num trecho verde do Jockey Club de São Paulo (que recebe a Casa Cor), o pavilhão se vale dessa localização especial. Para elevar a construção a 35 cm evitando terraplanagens e a impermeabilização do solo, David Bastos e sua equipe prepararam uma fundação leve, e dela ergueram a armação de madeira de reflorestamento, que define quarto, sala, cozinha e banheiro. Mais do que pano de fundo, o paisagismo implantado ali perto por um colega (as passarelas que conduzem à obra integram o jardim de Gilberto Elkis) enriqueceu o projeto – chapas de vidro protegem a estrutura nas laterais e até no teto, liberando a visão do entorno. Enormes brises, também de madeira laminada colada (MLC), somam-se às superfícies transparentes. Móveis, eles dosam a entrada de luz e calor com belo toque de eficiência e originalidade. O arquiteto ainda se baseou nas dimensões de conforto e racionalidade apregoadas pelo mestre franco-suíço Le Corbusier (1887-1965) ao estipular que os ambientes, o pé-direito, as esquadrias e os próprios módulos do esqueleto fossem múltiplos de 70 cm. O resultado? Uma solução compacta, bem servida de ventilação e iluminação, rica em acabamentos naturais e, além disso, desmontável.

Pilares e vigas de MLC (fragmentos de Lyptus processados pela Rewood Madeira Laminada Colada) compõem o esqueleto, pintado de preto. Para completá-lo, há chapas de vidro temperado e laminado, presas em esquadrias de madeira (Mado) ou fixas, e grandes brises reguláveis. Projeto de David Bastos.

No trecho central da construção, o teto traz telhas metálicas. Por dentro, o forro de palha (Cobrire) dá o acabamento. Projeto de David Bastos.

Já a área de banho ao ar livre inclui chuveirão (Deca) e deck de teca (We Do) resistente ao tempo. Projeto de David Bastos.

Conforto na ponta do lápis.

O sistema métrico modulor, desenvolvido por Le Corbusier, pautou o dimensionamento dos espaços e ajudou a desenhar o pavilhão compacto e versátil.

- Escala humana: a distância entre os pórticos da estrutura é de 1,40 m ou 1,75 m, múltiplos dos 70 cm definidos como base para o traçado, conforme a interpretação de David Bastos para o sistema de proporções de Le Corbusier.

- Proteção extra: o tracejado aponta até onde avança o pergolado de aço que ampara o vidro, compondo a cobertura e o beiral. Essa grelha se sobrepõe à madeira – fica 20 cm mais alta, o suficiente para a exaustão do ar quente e o giro das aletas.

Área: 74 m²; Projeto de arquitetura: David Bastos/DB Arquitetos; Engenharia: Construtora Scattone; Serralheria: Britto e Silva; Iluminação: La Lampe; Marcenaria: Ornare e Cap; Deck: Hydrotech; Automação: Kerk Solutions; Vidros: Casa dos Vidros; Interruptores: Schneider Electric; Lâmpadas: Brilia.

Em locais como o banheiro e a cozinha se ergueram paredes de alvenaria, revestidas de cacos de granito (Villa della Pietra). Trata-se do reaproveitamento inédito da capa de grandes blocos de rocha descartada pelas pedreiras. Projeto de David Bastos.

matéria publicada na revista arquitetura & construção em junho de 2015.