English Version

IDÉIAS INSPIRADORAS DA CASA COR SÃO PAULO

16/07/2015

Pautada na brasilidade, a 29a edição da maior mostra de decoração da América Latina pretende fisgar o visitante desde a entrada. Com um exuberante jardim de boas-vindas e charmosas casinhas ao longo de um caminho arborizado, a Casa Cor paulistana está mais enxuta, com 76 ambientes, e mais plural devido à participação de profissionais de outros estados.

Curvas do mobiliário brasileiro das décadas de 1950 e 1960 estão presentes no ambiente da arquiteta Flávia Gerab. Destaque para o sofá com traço vintage de veludo, o estofado da Etel se alia à mesa de centro Espuma, do estúdio Nada Se Leva (Firma Casa).

O pau a pique, antiga técnica construtiva, aparece com ousadia em diversas áreas, como no jardim de inverno planejado por Luiz Carlos Orsini. Com efeito surpreendente, o material dita a paleta da decoração. Mesa de centro da Poliform (Casual) e chaise Colette, da Érea. “Meu foco foi nosso país. Valorizei de um elemento construtivo tradicional a móveis e obras de arte de talentos nacionais. Inclusive as plantas são características daqui”, conclui o arquiteto Roberto Migotto.

Levemente esmaecido, o tom Acqua Smoke (Tintas Renner) sobressai no ambiente pensado pela arquiteta Esther Giobbi. Apesar de frio, o matiz lembra a natureza e se encarrega de delinear uma aura de brasilidade no espaço definido pelos móveis longilíneos (Holly Hunt). Em frente aos aparadores justapostos Tudor, de ferro forjado e com tampo de carvalho, a mesa de alumínio e vidro serigrafado acomoda cadeiras criadas por Warren Platner (1919-2006) para a Knoll. Com hastes de aço arredondadas, os assentos rompem com a sisudez dos ângulos retos. Na parede, duas fotos do inglês Simon Roberts. Da série The Last Moment, de 2011 a 2014, o arranjo de imagens é feito de inúmeros recortes de jornais fotografados. Os elementos em cena confirmam o desejo de compor um cenário luxuoso porém discreto, em que o toque de aconchego vem das réguas de pinho que revestem o piso e o teto. Tecido no Nepal, o tapete de cânhamo Yoruba, da Holly Hunt, reforça a atmosfera chique e calma a um só tempo.

Para abrigar mais de 5 mil títulos em sua biblioteca de estar, o arquiteto Bruno Gap investiu em módulos de MDF revestidos de folhas de catuaba (Trecatti Móveis). A iluminação de LED (Brilia) embutida nas prateleiras suaviza o volume da estrutura.

As poltronas indicam o lugar das telas. A arquiteta Myrna Porcaro definiu a área dos estofados (Artefacto) e distribuiu as obras de arte em função disso. Centralizado acima deles, o trabalho do artista plástico Yutaka Toyota ajuda a organizar os demais quadros.

Dois mil e quinhentos tubos usados no encanamento de pias compõem uma divisória dourada no projeto do arquiteto Gui Mattos. A proposta, que cintila ao sol, foi apresentada na Marquise Deca.

Cliques emoldurados compõem este políptico do fotógrafo Fabiano Al Makul. Ele mesmo determinou a forma de dispor a obra acima do bufê de pergaminho (Olho Interni), que realçam o aparador, seguida à risca pelo designer de interiores Fernando Piva, o autor do ambiente.

O aparador dos anos 1950 ganha leveza ao lado da cadeira escultural de Jean Gillon, ambos da Loja Teo. “Enquanto a madeira pesa visualmente, as linhas metálicas arejam a composição. Esse contraponto enriquece o conjunto”, diz o arquiteto Antonio Ferreira Junior, autor do projeto com seu sócio, o arquiteto Mario Celso Bernardes.

Leveza no Melhor estilo nórdico. Batizada Lagomm – palavra pinçada do vocabulário sueco –, a casa decorada pela arquiteta Patricia Martinez sintetiza seu significado: em tradução livre para o português, o termo tem o sentido de moderação, de quantidade exata das coisas. “Neste chalé de montanha não há excessos”, explica. “O acolhimento vem do fato de eu ter escolhido apenas peças que tocam o coração.” De bambu, o painel (NeoBambu) isola parcialmente a área social do quarto e se revela um elemento caloroso também na sala de estar, mesma sensação evocada pelo tapete de lã (Punto e Filo). Com traços suaves, os móveis também cativam e evocam conforto. O sofá exibe desenho de Jaime Hayon (Atec), e a poltroninha de pele é o modelo Nepal, da Casual. O toque de cor fica a cargo das inusitadas mesas de vidro verde, do alemão Sebastian Herkner (Fas), e do quadro da artista plástica Estela Sokol (Zipper Galeria). Para deixar o frio do lado de fora, não poderia faltar uma lareira. Este compacto exemplar de ferro (Mobly) garante aconchego na dose certa. Ao fundo, na suíte, persiana da Uniflex.

Os tons fechados dominam a cartela. O azul-noite e as nuances de lilás povoam a obra de Estela Sokol (Zipper Galeria) e servem de parâmetro para o matiz do veludo da poltrona com banqueta assinada pelo designer italiano Umberto Asnago (Casual). A proposta é do arquiteto Toninho Noronha.

Entre as sacadas da arquiteta Caroline Elkis para driblar os 21 m² de seu Mini Studio está a cama de madeira de demolição (execução do Studio N Mobili Design). Erguida com sistema de pesos, libera área aumentando o espaço quando se aproxima do teto.

Integrados os dois ambientes sala de estar e a cozinha têm piso de sucupira em paginação escama de peixe (Projeto Madeira). Para acompanhar o acabamento, o arquiteto Fernando Piva selecionou a mesa da Olho Interni e as cadeiras Dress (Vermeil).Na bancada, torneira da Deca.

Na concepção dos espaços integrados da Casa da Gente, da designer de interiores Marina Linhares, o fogão a lenha fica diante da mesa de jantar, ladeada de estar e gazebo, ambientes que estimulam o convívio.

Montagem sem quebra-quebra. O paisagista Roberto Riscala não mexeu na estrutura do espaço de 50 m² – o piso cimentício (Solarium) e as estantes metálicas deram conta de transformá--lo numa vitrine verde. “Imaginei um estrangeiro que se muda para cá e se apaixona por nossas bromélias”, afirma o paisagista Roberto Riscala.

Estar sob a pérgula. Sobre a cobertura de madeira, a placa de vidro assegura o lazer em qualquer clima nesta sugestão da arrquiteta Chris Pierro. As folhagens tropicais e o mobiliário acolhedor reforçam a atmosfera de deleite.

matéria publicada na revista Casa Claudia em junho de 2015.