English Version

MÓVEIS DE GERALDO DE BARROS SÃO REEDITADOS PELA DPOT

01/07/2015

Atuais até hoje, os móveis do designer paulista Geraldo de Barros estão sendo reeditados pela Dpot, que vai incluir três novos itens ao catálogo de seis produtosjá à venda.

“Geraldo foi revolucionário. A multiplicidade de soluções que ele propunha com pouquíssimas peças e suas variantes é sensacional”, fala Baba Vacaro, designer e diretora de criação da Dpot.

Um visionário e tanto, o modernista Geraldo de Barros (1923-1998) fez história com seu talento múltiplo. Depois de se iniciar na fotografia e passar pela pintura, logo mirou o desenho industrial. Na década de 1950, inaugurou a Cooperativa Unilabor e o Form-Inform, o primeiro escritório de design brasileiro. Pouco depois, em 1964, abriu as portas da loja Hobjeto Móveis. Com produção marcadamente geométrica e simples, que dialoga com suas obras de arte concretistas e abstratas, aproximou-se da máxima “forma e função” da escola alemã Bauhaus. Passado tanto tempo, os produtos mantêm o espírito superinovador.

O Bufê GB, desenhado por Geraldo de Barros.

A experimentação de Geraldo de Barros fica evidente até nos croquis da Unilabor. Agora, a Dpot lançará a poltrona T3 e a cadeira MTF 600, além de uma estante.

Modelo original: a mesa de jacarandá maciço (1,60 m x 85 cm x 74 cm) de 1955 tem tampo extensível. Custa 25 mil reais no acervo de Thomaz Saavedra.

Modelo original: é de 1954 o criado-mudo de jacarandá e laminado plástico (43 x 39 x 41,5 cm). Por 4,5 mil reais na Loja Teo.

Móvel original: cadeira com estrutura de jacarandá (40 x 43 x 85 cm) dos anos 1960. Preço: 3,9 mil reais no Passado Composto Século XX.

matéria publicada na revista Casa Claudia em maio de 2015. Por Denise Gustavsen.