English Version

ESCADAS BELAS E FUNCIONAIS

14/05/2015

Exemplos de como um belo desenho também pode ser funcional, estas sete escadas unem soluções práticas ao conforto da pisada. Com materiais variados, atendem a ambientes de diferentes dimensões.

Concebido por Fernanda Marques, este trabalho se destaca pela leveza conquistada apesar do uso de materiais pesados. Com visual que lembra uma fita em movimento, o modelo helicoidal foi escolhido por ocupar menos espaço. “O pilar central dá conta da sustentação dos degraus de aço encapados de madeira”, explica a arquiteta. MATERIAIS: ESTRUTURA DE AÇO COBERTA DE TAUARI E LATERAL DE CHAPA DE AÇO COM PINTURA EPÓXI; VÃO: 4,20 M; PISADA: 25 CM; ALTURA DO ESPELHO: 17 CM.

O escritório israelense Gerstner Architects chegou bem próximo do ideal de uma escada flutuante. No projeto que desafia as leis da física, os degraus de madeira se encaixam na parede e em recortes rasgados no guarda-corpo de vidro. Placas da mesma madeira presas com cavilhas fazem o acabamento. Com 18 mm de espessura, os painéis são reforçados especialmente para não trincarem. MATERIAIS: MADEIRA E VIDRO; VÃO: 3,20 m; PISADA: 28 cm; ALTURA DO ESPELHO: 17,5 cm.

A ideia do estúdio britânico Diapo era fazer a estrutura ultrapassar os limites do espaço convencional. Presa no teto, a escada dispensa fixação lateral, assim como na parte de baixo. O guarda--corpo, por sua vez, tem papel fundamental, pois ajuda a ancorar o conjunto. MATERIAL: AÇO; VÃO: 4,12 m; PISADA: 21, 5 cm; ALTURA DO ESPELHO: 19,5 cm.

Uma só chapa vai do piso ao andar de cima na proposta do Sub Estúdio, das arquitetas Isabel Nassif e Renata Pedrosa. “O próprio desenho, com uma barra estrutural em cada lateral, assegura a estabilidade. O apoio está no chão e nas vigas, o que libera a área sob o volume”, diz Isabel. O guarda-corpo telado virou suporte para quadros. MATERIAL: CORPO INTEIRIÇO DE AÇO; VÃO: 3,10 m; PISADA: 27,5 cm; ALTURA DO ESPELHO: 18 cm.

Construída por meio de encaixes chamados meia madeira, em que uma placa se acopla à outra, a escada do arquiteto português Carlos Castanheira recupera técnicas de carpintaria clássicas. Os degraus com espelho alto se alternam – o topo de um está na metade do outro – e garantem conforto mesmo diante da forte inclinação. MATERIAL: MADEIRA DE RIGA; VÃO: 2,67 m; PISADA: 35 cm; ALTURA DO ESPELHO: 35,6 cm.

No projeto de André Becker para esta cobertura, a escada do tipo Santos-Dumont é apenas uma das faces do cubo de madeira multiúso, caixa-surpresa que esconde quarto ebanheiro, além de configurar um escritório no pavimento superior. Disposto na lateral, o elemento chega ao topo intercalando pisadas e ainda oculta nichos sob os degraus. MATERIAL: COMPENSADO NAVAL; VÃO: 2,70 m; PISADA: 31 cm; ALTURA DO ESPELHO: 19 cm.

Na morada com ar industrial, instalou-se uma estrutura que obstrui o mínimo da passagem. O escritório Casa 14 optou por duas folhas de aço oxidado (2 cm de espessura) na criação dos degraus. Para o material não ceder, cerca de 3 cm das chapas se incrustam na parede e no chão. No primeiro caso, trata-se de um engaste comum. No segundo, chapas metálicas presas ao contrapiso fazem a fixação do conjunto. MATERIAL: FOLHAS DE AÇO OXIDADO;VÃO: 2,44 m; PISADA: 31,5 cm; ALTURA DO ESPELHO: 17,5 cm.

matéria publicada na revista arquitetura & construção em abril de 2015.