English Version

MAIS BONITOS E INTERLIGADOS

13/05/2015

Tendências apontam para equipamentos de design decorativo e que ‘conversem’ uns aos outros.

Não basta ser caro. Para conquistar um consumidor exigente, os lançamentos em eletroeletrônicos precisam aliar design atraente e recursos de alta qualidade, além da entrega de funções inovadoras e soluções customizadas. Há novos celulares á prova d’água, refrigeradores com dispensers de água gaseificada e TVs de telas curvas que prometem imagens com maior profundidade. “As tendências apontam para a sincronização entre diferentes equipamentos, cada vez menores e mais decorativos”, afirma Fábio Mariano Borges, professor de comportamento do consumidor da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Segundo Elaine Ishibashi, gerente de marketing da Samsung Brasil, o mercado de eletrônicos de luxo está escalada no país. “Somente as unidades premium de smartphones responderam por 7% das vendas do segmento de celular no Brasil, o que representa 3,6 bilhões de produtos entregues e R$7,5 bilhões em receita”, diz ela, baseada em dados da consultoria de tecnologia IDC. “Com esse movimento, além de celulares, lançamos novos itens de áudio e vídeo, computadores portáteis e linha branca, câmeras e condicionadores de ar.”

A meta da Samsung, que investiu US$14,6 bilhões em inovação no ano passado, é que 100% dos diferentes equipamentos “conversem” entre si até 2020. “O objetivo é que os produtos sejam convergentes e fáceis de usar. Pesquisas mostram que o consumidor de luxo quer facilidades que gerem diversão e economia e tempo.” Uma das novidades da marca é o refrigerador de 632 litros French Door Sparkling que, pela primeira vez no Brasil, chega com um dispenser externo para água com gás. Custa R$16 mil. A Samsung também criou um novo profissional para cobrir atendimentos especiais. “Um ‘concierge de tecnologia’ vai até a casa do cliente e, além de realizar consertos, pode sugerir soluções de interatividade entre os aparelhos”, diz Elaine.

Ana Peretti, diretora de marketing da Sony Mobile no Brasil, também vislumbra uma maior oferta de produtos para compradores AAA “Opções mais sofisticadas já ocupam cerca de 50% do nosso catálogo”, diz. Alguns celulares da marca chegam com versões à prova d’água, câmeras de 20,7 megapixels e bateria de até dois dias. Com essas características, o Xperia Z3, apresentando este ano, custa R$2,7mil. “Estamos entre os três principiais players do mercado de smartphones de primeira linha, com 17% de share nas vendas de cada itens acima de R$1,5 mil.”

Os itens “vestíveis”, como pulseiras inteligentes que contam quilômetros percorridos e as horas de sono do usuário, são outra aposta da Sony Mobile. Uma versão de ouro branco de 18 quilates e diamantes negros, assinada pelo joalheiro Jack Vartanian, acompanha o smartphone Xperia Z2. “Todas as informações captadas pela pulseira são apresentadas na tela do celular.” A dupla custa R$9,8 mil.

Os lançamentos acontecem praticamente ao mesmo tempo, em todos os países”, diz Barbara Toscano gerente geral de marketing corporativo da LG Electronics do Brasil. Para a executiva, características como as telas curvas na TVs, que intensificam a realidade das imagens, e recursos de economia de energia e água também devem orientar os novos produtos. A TV Oled 4K, por exemplo, está mais fina e arredondada que as edições anteriores e promete resolução quatro vezes maior que as versões Full HD, Há opções de 77,65 e 55 polegadas, com preços a partir de R$13 mil.

Para quem prefere uma configuração de áudio e vídeo mais completa, a Bang&Olufsen acaba de apresentar a TV BeoVision Avant, de 85 polegadas, que acompanha dois pares de caixas acústicas, sem fios, com 2,5 mil watts de potência em cada unidade. O conjunto custa 600 mil.

“O consumidor não quer comprar produtos avulsos, mas um projeto completo em que os aparelhos se conectam com outros sistemas de automação residenciais”, explica Mauro Zucato, CEO da Disac, distribuidor máster da marca dinamarquesa no Brasil. “ É possível, ainda, controlar os aparelhos pelo celular ou tablete.” A empresa monta os equipamentos de acordo com o espaço do cliente e arquitetos parceiros entregam o home theater pronto para usar.

Já a Electrolux garante que a linha Icon, de onze produtos, entre fornos, adegas e lava-louças, pode montar uma cozinha completa, por cerca de R$70 mil. Entre as atrações da marca, a coifa IHI12 promete ser 35% mais silenciosa do que as similares, com controle de funções por meio de um painel sensível ao toque. Custa R$13,2 mil.

“O segmento de alto luxo corresponde a 3% do portfólio, mas essa parcela está aumentando” diz Rafael Bonjorno, diretor de marketing e inovação para a América Latina. Nos próximos três anos, a expectativa da Electrolux é dobrar o número de itens destinados ao comprador mais endinheirado. “Há uma maior procura por equipamentos de apelo estético, que conferem status aos espaços gourmet, cada vez mais integrados às demais dependências das casas.”

Matéria publicada na revista Valor em 7 de maio de 2015 por Jacilio Saraiva.