English Version

VIAJANTES

11/05/2015

Frequentes do futuro.

A cada ano, milhões de pessoas estão se tornando mais experientes como consumidores dos serviços oferecidos pelas companhias aéreas. E com esse novo sentido do consumismo vem uma maior valorização do conforto voar.

Poltronas mais finas, entretenimento hipercustomizado, wi-fi liberado ou silêncio absoluto: diante do cenário otimista previsto para a aviação comercial no Brasil e no mundo – estima-se que em 2020 o número de passageiros que utilizam o transporte aéreo no Brasil para voos nacionais e internacionais chegará a 221 milhões -, a indústria aeronáutica tem apostado em inovação e tecnologia para dar conta das necessidades dos passageiros do século 21.

Uma casa fora de casa

Mas o que é voar com conforto?

“Conforto esta relacionado à percepção que se tem do espaço, além de questões como segurança, entretenimento, privacidade e ergomia”, ressalta Marcelo Teixeira, arquiteto e fundador da Studio Marcelo Teixeira. Durante dez anos, Teixeira trabalhou para a Embraer, onde implementou o Advanced Design Studio, área focada em pensar no futuro das tecnologias para a aviação. Para ele, os espaços nas aeronaves têm que ser cada vez mais amigáveis, ao ponto de se tornarem habitáveis como moradias. Esse conceito de habitação, inclusive, é o mote criado pela renomada consultoria britânica de design Priestmangoode para o design da primeira classe das aeronaves da Tam. Considerada uma “casa fora de casa”, a cabine aparenta um microcosmo cosmopolita onde o passageiro desfruta da diversificado sistema de entretenimento, TV de 29 polegadas, refeições servidas em louça holandesa e cristal Baccarat. O projeto ganhou, em 2013, o prêmio internacional da Yacht & Aviation por melhor aviação comercial, além do importante Travel + Leisure Design Award deste ano.

Conforto na classe econômica

Mas não é só primeira classe que se pode ter conforto. O uso de assentos mais esguios, chamados de very hi-density ou slimlie seats, são uma solução encontrada para tentar equilibrar a equação espaço x conforto dentro das classes econômicas – um filão importante e em pleno crescimento na América Latina e na Ásia.

Em entrevista exclusiva à abcDesign, Paul Priestman, diretor fundador da Priestmangoode, fala da importância de ganhar alguns centímetros sem necessariamente mexer no espaço padrão entre as poltronas.

“Existem espumas diferentes que estão sendo desenvolvidos para ganhamos alguns centímetros a mais na largura do assento”, revela.

“Para voos mais longos, estamos pensando em como as pessoas podem dormir confortavelmente numa oposição sentada. Isso é uma coisa que estamos trabalhando com e Embraer nos jatos E2. Teremos grandes inovações no anterior dessas aeronaves”. diz Priestman, ainda fazendo ministério sobre novidades em parceria com a Embraer que serão apresentados em junho deste ano.

Reconfigurar os revisteiros da classe econômica também auxilia no ganho de espaço. “Estamos mudando o lugar onde normalmente as revistas são colocadas para poder aproveitar o espaço para as pernas”, detalha Priestman. O escritório acabou de receber o Queen’s Award na categoria empresa, a mais prestigiosa premiação no segmento empresarial no Reino Unido.

Viajantes energizados.

Uma pesquisa conduzida pelo Future Laboroty para a Airbus sobre o futuro do conforto para os passageiros na Ásia – nicho considerando o mais importante e formador de tendências global nesta indústria – constatou a existência do “Energized Flyer”, ou seja, um grupo de passageiros que busca por uma experiência de voo que priorize o relaxamento a bem-estar.

A criação de “zonas de silêncio”, a implementação de excelentes sistemas de ar-condicionado com renovação de ar e climatização individual, além de avanços na iluminação das cabines são sinais dessa tendência. Por exemplo, a Malaysia Airlines já divide suas cabines em “zonas de silêncio” sem cobrar nada a mais dos passageiros.

Com avanço do sistema de luzes LED é possível recriar as cores do amanhecer ou anteceder dentro da cabine de jet lag dos passageiros.

matéria publicada na revista abc Design em julho, agosto e setembro de 2014 por Flávia Mendonça.