English Version

UMA IDEIA NA CABEÇA E MIL POSSIBILIDADES DE NEGÓCIOS

06/05/2015

Se até as palavras, o vento leva. Ideias, então quando não postas em prática evaporam rapidamente. E é para evitar que boas ideias se percam que os eventos de “startups” costumam ocorrer. Reunindo mentes criativas com veteranos do mercado e especialistas no assunto (no caso de eventos temáticos), é possível tirar um projeto do papel (ou da cabeça) e transforma-lo em algo concreto. No caso do Startup Weekend Fashion & tech (SWFT), que ocorre de 27 a 29 de março no Senac (Unidade Lapa), os projeto a serem apresentados, discutidos e – em alguns casos – viabilizados serão das áreas de moda e beleza.

A Intenção é promover a inovação é promover a inovação, propor tecnologias, soluções de gestão e de logística para o segmento de moda e beleza.

A intenção é promover a inovação, propor tecnologias, soluções de gestão e de logística para o segmento de moda e beleza. Essa primeira edição, no Brasil, do SWFT terá o patrocínio de empresas como Renner, Senac, TroposLab, Fashion Snoops, petiscos, Descola, Google for Entrepreneus, Amazon Web Services, Abest e Dujour. “O Grande mérito do evento está na reunião de pessoas”, explica o designer Rafael Machado Martins, um dos organizadores do SWFT. “A criação de novas empresas é uma das consequências possíveis”.

Martins que tem o desenvolvimento de vários “apps” no currículo – é coordenador de conteúdo digital da notiluca (marca de óculos de madeira) e representante regional da Shippify: “startup” de origem equatoriana que criou um aplicativo de logística expressa. Ao lado dele, na idealização do evento, está a designer e editora de moda Jussara Romão, a administradora de empresas Nathália Tavares (da Troposlab, uma academia de empreendorismo e inovação) e o empresário Nicholas Kneip (Agrid).

A SWFT vai funcionar como uma espécie de concurso – ao mesmo tempo em que submete os projetos de novos negócios a um processo de “coaching” expresso. Quem quiser expor a sua ideia ao escrutínio alheio, precisa se inscrever, até a próxima quinta feira (pelo site bit.ly/fashionTech Weekend).

Apenas 100 vagas foram colocadas à disposição de profissionais ou estudantes. Na primeira parte evento, os participantes apresentam suas ideias para todos. Somente as mais votadas pelo júri passarão para a segunda etapa. “Ao longo do encontro, as equipes terão a chance de trocar informações e tirar dúvidas com os coaches,” diz Martins. Uma vez formatados, os projetos serão expostos a um júri composto pelo empresário Anderson Birman (da Arezzo), Luiz Moraes (da grife Patricia Bonaldi), Felix Scheuffelen (do fundo Redwood) e Paulo Renato Cabral (do Grupo Instituto Inovação).

De acordo com Martins, nas 54 horas de imersão, dentro do evento, os participantes terão a chance de aprender metodologias para viabilizar novos empreendimentos, além da oportunidade de validar seus produtos e serviços com futuros clientes.

Para Jussara Romão, que foi diretora de moda da revista “Elle” e hoje possui a sua própria agência de conteúdo, existe uma dificuldade de compartilhar informações dentro de grandes empresas atualmente. “Ter departamentos de ‘startups’ dentro de companhias de varejo, por exemplo, é fundamental”, diz Jussara.

“É uma maneira de olhar para o futuro e também para os novos desejos de consumidores.”

Segundo Martins, é difícil imaginar o que vai surgir a partir do evento. Mas há algumas apostas:

“”Há problemas a serem resolvidos nos e-commerces principalmente na questão logística”, diz Martins. Jussara aponta também para a pouca atenção dada às mudanças no comportamento do consumidor. “As empresas precisam”, diz editora de moda.

O Startup Weekend já ocorre há cinco anos fora do Brasil e há dois por aqui, envolvendo as mais diversas áreas de negócios.Com o foco nos segmentos moda e beleza, o evento já é realizado em Paris, Milão, Londres e Nova York.

matéria publicada no jornal valor em 24 de março de 2015.