English Version

DIA A DIA AO SOM DE MÚSICA

04/05/2015

Na casa da arquiteta Ana Luiza Almeida Prado Sawaia, em São Paulo, sobram alegria e afinação quando a família se reúne para tocar instrumentos.

A sala de estar conquistou claridade com a abertura de novas janelas e portas, que também ligaram o interior ao jardim. “Receber os amigos é sempre um prazer. Ficamos em volta do piano, cantando, e nem vemos o tempo passar” Ana Luiza Almeida Prado Sawaia.

O piano de cauda faz as honras da casa e traz à arquiteta (de blusa azul no retrato) a lembrança do pai, compositor. A mãe, a filha e ela própria também têm o dom musical – volta e meia, promovem concertos familiares em plena sala do casarão de 700 m², erguido em 1954 no bairro do Pacaembu. O cenário, inclusive, favorece a criatividade: depois de uma reforma, tocada por Ana, tornou-se muito mais amplo, aberto e claro. O piso de madeira foi restaurado, a cozinha se integrou à área de almoço, e a garagem se converteu em recanto gourmet. Agora, o que não falta aqui é espaço para os moradores exibirem seu talento. Visite o blog da jornalista Zizi Carderari e se encante com mais histórias de bem viver como esta.

A aquarela feita pelo pai da arquiteta foi impressa em adesivo e colada atrás da penteadeira dos anos 1950 que pertenceu à avó da moradora.

Salas de estar e jantar precisam seguir o mesmo estilo?

A leitora de CASA CLAUDIA quer saber se é mesmo necessário combinar sala de estar e de jantar. Confira as respostas de especialistas.

"Salas de estar e jantar precisam seguir o mesmo estilo? Que elemento usar para ligar esses dois espaços?"Rita Soares, via e-mail.

Embora não existam regras, procure fugir dos excessos e buscar uma linguagem coesa no desenho dos móveis e nas cores. Veja o que três profissionais dizem:

“Neste projeto, a ligação é feita com o carvalho ebanizado que reveste a parede e dá forma ao móvel sob a TV. Estendi o tom neutro à área de refeições em prol da continuidade.” Robert Robl, arquiteto.

“Em locais integrados, como aqui, use o mesmo padrão de nuances nas paredes e móveis de aspecto semelhante. Essa medida trará sofisticação e unidade visual.” Mayra Navarro, designer de interiores.

“É importante haver um elo entre os espaços. No projeto ao lado, o travertino comparece no aparador e no piso, e a madeira, na mesa e em poltronas. Assim, forma-se a conexão.” Gisele Taranto, arquiteta.

Matéria publicada na revista Casa Claudia em janeiro de 2015.