English Version

COMPORTAMENTO: MENOS E MELHOR

18/03/2015

Informação demais, agenda lotada demais, coisas demais para lidar: os excessos do mundo hoje geram cansaço e despertam o desejo por leveza, silêncio e paz. Quem embarca nessa tendência abre mão de muita coisa, mas ganha o direito de escolher quais são seus confortos essenciais, o que não pode viver sem. O resultado é uma imensa liberdade.

Esta cortina de tecido leve filtra a luz natural com suavidade. Livre de excessos, ela evoca a simplicidade e o essencial.

“Estamos entrando no momento em que a cultura local e os valores de cada um moldarão as escolhas das pessoas. O sonho americano de que consumo abundante é indicador de vida plena não serve mais de modelo para o mundo”

Estamos numa época que estimula o consumo voraz, o trabalho por longas horas e a velocidade no cumprimento das tarefas cotidianas. Não á toa, cresce a turma que busca a leveza material e a pausa para desfrutar de momentos contemplativos. As pessoas desejam despojar-se do excesso para encontrar o essencial: tempo, quietude, liberdade e prazer. “Não o mais mas, o melhor será o lema da próxima década. O impacto do consumo sobre o planeta e o nosso bem-estar é um tema que influência todas as áreas da vida no futuro”, analisa a dinamarquesa Anne Lise Kjaer, especialista em tendências e diretoria da kjaer Global. “Moradoras compactas e energeticamente eficientes serão nossa escolha preferida.” Diversos sites, Blogs e livros que tratam sobre o estilo de vida minimalista surgiram nos últimos anos. Entre eles, o Life Edited (Vida Editada), do arquiteto canadense Graham Hill, que mora num apartamento de 40 m² em nova York. Seus posts sugerem refletir antes de consumir. Numa palestra do TED (Fundação sem fins lucrativos que realiza conferências curtas e inspiradoras), ele afirma: “Claro que devemos comprar algumas coisas espetaculares. Porém queremos coisas espetaculares. Porém queremos coisas que vamos amar por anos, não apenas coisas”. Uma vida mais frugal, mas nem um pouco vazia.

No ateliê da artista plástica Marina Saleme, este é o canto da bicicleta, símbolo de liberdade e descontração. Na parede, a obra Contadores leva a assinatura da dona espaço.

1- Paisagem fotografada por Cacá Bratke

2- Clima afetuoso na casa estúdio do casal Bruno Guedes e Ainá Calia: enquanto ela trabalha em seus projetos de design, o marido chef está em receitas. Cerâmicas da Rosa Pinc e mesa formada por cavaletes e prancha de madeira

3- Peça da série abordados, da artista Lia Menna Barreto.

4- O branco predomina neste ambiente René Fernandez Filho

5- Estruturas á mostra no projeto escritório belga Adn Architectures

6- Fotografia de Cacá Bratke

7- Galhos clicados por Evelyn Müller

8- O mobiliário tem linhas mínimas no ambiente assinado por Tania Eustáquio.

9- Projeto do arquiteto Renzo Piano, a casa Diogene é uma residência completa em apenas 7,50 m², no campus da marca Vitra, na Suiça.

10- Detalhe capitado por Cacá Bratke.

11- Cadeiras Soft Egg, de Philipe Starck, e mesa Elza, De Paulo Alves, no projeto de Alessandro Sartore.

12- Tons neutros e mobiliário marcante na casa Villa Wallin, projeto do arquiteto Erik Anderson com característica típicas do norte de Estocolmo, na Suécia.

NEO.NO.MA.DIS.MO

Uma das vantagens apontadas por quem decide vive com menos é a possibilidade de “Levar a casa mala”. Nesse aspecto, a tecnologia móvel tem uma grande contribuição “O mundo de alguém pode resumir a smartphone, tablet e algumas roupas. Assim, a morada não se prende mais a uma localização geográfica”, ressalta André Oliveira, diretor da agência de pesquisa de tendências e consumo Box 1824. Para quem vive em trânsito, trabalho ou prazer, a facilidade de viajar vem acompanhada da possibilidade de se sentir em casa em qualquer canto.

Apenas dois materiais de acabamento – madeira e concreto – traços puros na marcenaria provam que menos é melhor no projeto de Tania Eustaquio.

Discreto e poderoso, o branco ressalta a escultura de parede de Waltércio caldas. Ambiente de Renê Fernandes Filho.

Leveza Quietude Essencial Flexibilidade Mobilidade

Matéria publicada anuário de Tendências Casa Claudia 2015.