English Version

BRASILIDADE

17/03/2015

Yes, nós temos design! yes, nós temos relevância! yes, ninguém abre a porta de casa de forma mais generosa do que a gente. O brasil encanta quem é de fora e, como consequência, estamos olhando mais para nós mesmos e reconhecendo o valor da nossa cultura, da nossa história, das nossas cores, do nosso jeito de ser nosso país é bonito e tá na moda, yes!

“A beleza do Brasil está na diversidade: de gente, religião, cultura, artesanato, culinária, modo de viver, natureza.

É um país inteiro de misturas, mas também de unidade. Isso é muito inspirador, pois as origens são todas igualmente representativas não há uma cor ou características que domine”

Não há uma característica que domine”

A diversidade natural, a mistura étnica, a riqueza cultural e a afetividade do povo brasileiro são tesouros espalhados em abundância pelo território nacional. “De norte a sul, somos muitos brasis, mudamos a cada dia, aprendemos evoluímos”, diz a designer Baba Vacaro diretora criativa da marca Dpot. É da união das pessoas de diferentes origens e com talentos complementares que nasce a parceria entre design e artesanato, combinação tão bem temperada quanto o feijão com arroz de cada dia. Os frutos desse laço criativos estão muito ligados ás aspirações do século 21. “Do ponto de vista ambiental, as práticas dos artesãos são historicamente, relacionadas ao aproveitamento de matérias locais e á reciclagem. O respeito á natureza e ao saber tradicional é uma força marcante no designer artesanal”, explica Adélia Borges, jornalista e curadora especializada em designer e artesanato. Desde 2001, quando a sigla Brics, que reúne Brasil, Rússia, Índia e china (e, posteriormente África do sul), foi cunhada para nomear as potências emergentes, e com a escolha do país para sediar eventos de grande porte, como a Copa Do Mundo de 2014 e os Jogos olímpicos de 2016, os olhos estrangeiros voltam-se para cá com maior interesse. E miram além de esporte e economia. Miram arte, moda, gastronomia, design, arquitetura e artesanato.

A cadeira de madeira e palha produzida de maneira artesanal é um primor de elegância e simplicidade. Projeto de Tania Eustaquio.

RAÍZES

Não é possível descobrir qual é a nossa cara – exibi-lá com orgulho – sem olhar um pouco para o passado, sem identificar os objetos que carregam em suas formas, cores e materiais o DNA do país. Na casa Brasileira a rede de algodão, a cesta de palha e panela de barro estão presentes e pouco se transformaram ao longo dos séculos. A influência de raízes indígenas, africanas e europeias caminha junto á natureza, uma generosa fornecedora de matéria-prima.

1-Colares na parede e panela da etnia waurá, usada como centro de mesa, adornam a sala fotógrafa Maureen bisiliat.

2-parede de taipa com elementos cerâmicos na exposição ninhos Urbanos, da artista Maria Amélia Vieira.

3-Feitas de pedaço de madeira, a cadeira favela, ícone dos irmãos Campana, remete ás comunidades brasileiras. Ambiente da arquiteta Bia Prado.

4- Luz natural banha a sala assinada por Marcelo Alvarenga e José Ricardo Fois.

5- Jabuticabas captadas pela fotógrafa Cacá Bratke.

6- Azulejos pintados a mão de autoria da arquiteta Bruna Albuquerque (Lucca).

7-Uma rede á sombra e muita natureza na casa projetada por Daniel Fromer.

8-A estampa do linho Sol Poente, da JRJ, é inspirada na obra da pintora Tarsila do Amaral.

9- A tradicional palhinha na cadeira de Joaquim Tenrei

10- Simples a casinha do interior fala ao coração.

11-Cobertura de palha de Dendê.

12-Bogoió (tipo de cesto) de palha de carnaúba, produzido no Piauí durante o projeto A Gente Transforma, comandado por Marcelo Rosenbaum.

13-Vista da praia do pepino, no Rio de Janeiro, por Salvador Cordaro.

Matéria publicada no anuário de Tendências Casa Cláudia 2015