English Version

CASA INTELIGENTE CHEGA AO MERCADO EM 2020

03/12/2014

Em menos de dez anos, móveis e eletrodomésticos terão capacidade de reconhecer pessoas e falar com elas para ajudar nas tarefas de casa. Se essa realidade ainda parece estar distante dos lares brasileiros, no Japão a tecnologia já foi desenvolvida. Chega ao mercado em 2020.

A companhia de eletroeletrônicos Panasonic começou neste ano a expor para consumidores em Tóquio os protótipos de uma série de produtos criados para a automatização do lar, uma linha que lembra os episódios dos Jetsons, desenho animado "futurista" dos anos 1960.

Logo na entrada da casa do futuro exposta pela multinacional japonesa, uma câmera de segurança que reconhece a face dos donos agiliza a abertura da porta.

A entrada de encomendas também será facilitada. Alimentos quentes ou gelados poderão ser colocados pelo entregador em compartimentos que se adaptam às condições de temperatura: o recipiente se resfria para receber a carne ou se aquece quando entra o pão quente.

As encomendas vêm do mercado com um código que carrega, além das condições de temperatura, outros dados como tamanho e tipo de produto, informações que poderão ser consultadas pelo consumidor por comando de voz.

CÔMODOS INTERATIVOS

O cozinheiro que perguntar para o dispositivo digital interativo instalado em sua cozinha quais pratos pode preparar com a carne que acaba de receber ouvirá da máquina uma lição sobre o modo de preparo.

Se rejeitar a dica, recebe receitas alternativas.

No banheiro, o espelho com sensores no chão será capaz de identificar informações como pulsação e peso de quem estiver a sua frente.

Além da avaliação médica, vai oferecer opções de maquiagem. Mesmo se estiver com o rosto limpo, a dona do espelho poderá se ver refletida usando batom vermelho e olhos pintados. A tecnologia também permite combinações de roupas. Na cama, há sensores que ajustam automaticamente a temperatura e a luminosidade do quarto.

Nos próximos anos, a empresa precisa estudar as condições de mercado. Atualmente, está em fase de fechamento de parcerias com prestadores dos serviços.

Algumas das invenções recentes da japonesa já estão no varejo, como as máquinas de lavar que identificam a quantidade de sujeira nas roupas para evitar desperdício de água e as geladeiras que registram os horários de maior consumo do dono, funcionando em modo de economia de energia nos outros.

Matéria publicada no jornal Folha de São Paulo em 30 de Novembro de 2014