English Version

VAREJO VÊ RECUPERAÇÃO EM VENDAS E CONSOLIDAÇÃO

14/10/2014

Após os resultados fracos do varejo de moda no período da Copa do Mundo da Fifa, representantes do setor esperam melhora em vendas neste fim de ano em relação ao desempenho do primeiro semestre. O Indicador Serasa Experian mostrou avanço de 0,9% no varejo de tecidos, vestuário, calçados e acessórios em setembro frente a agosto. No acumulado de nove meses, o setor cresceu 0,7%. As notícias recentes de fusões também trouxeram fôlego novo ao setor.

O Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI) projeta para o ano um crescimento de 1,5% a 2% no varejo de moda, com uma pequena aceleração nas vendas neste quarto trimestre. A estimativa é menor que a previsão feita no início do ano, de 3,4%. Em 2013, o varejo de moda cresceu 8,7%, para R$ 172 bilhões. “Não é um crescimento expressivo, mas a Copa do Mundo derrubou muito as vendas”, disse Marcelo Prado, diretor-sócio do IEMI. Ele ponderou ainda que a recuperação em vendas no fim do ano não será uma realidade para todas as redes varejistas.

Sidnei Abreu, diretor executivo da Associação Brasileira do Varejo Têxtil (Abvtex), disse que as varejistas de moda estão otimistas em relação ao segundo semestre. A entidade não faz projeção de vendas. “Depois da Copa e do primeiro turno das eleições, o varejo passou a ter um ritmo mais acelerado e a expectativa é de um avanço nas vendas com as promoções de fim de ano e Black Friday [dia promocional do varejo no fim de novembro]“, disse Abreu.

Tanto a Abvtex quanto o IEMI consideram que o cenário atual de restrição ao crédito dificulta as vendas de produtos de alto valor agregado, como linha branca, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, mas não tem grande impacto nas vendas de roupas e acessórios, devido ao tíquete médio baixo por compra (da ordem de R$ 150). “Nos últimos anos, os brasileiros trocaram TV, carro, compraram casa. Neste ano, teremos a oportunidade de um Natal forte para roupas e acessórios”, disse Abreu.

Matéria publicada no jornal Valor Econômico em 14 de Outubro de 2014 por Cibelle Bouças