English Version

DELÍCIA DE REUNIÃO

01/09/2014

Você passa o dia trabalhando em uma sala bege e sem graça? Profissionais de diversas áreas quebraram paradigmas ao montar escritórios agradáveis, inspiradores e muito produtivos. Mostre esta reportagem ao seu chefe!

FOME DE TRABALHO
"Cozinhas são melhores que salas de reunião". O slogan escolhido para a agência Loud Lemon, onde funciona também a consultoria de gastronomia Dedo de Moça, ambas lideradas pelo publicitário André Rodrigues, diz muito sobre o visual do escritório de 110 m². Localizada em um charmoso prédio da rua Oscar Freire, a empresa, em vez de sala comercial comum, é uma supercozinha. “As reuniões com clientes acontecem ao redor da mesa, como um encontro entre amigos”, diz André, servindo uma taça de vinho para acompanhar a entrevista. Paredes, aqui, são cheias de bossa: há desenhos assinados pela artista Lu Maia e patchwork de páginas de revistas gourmet. Se o trabalho flui em um espaço assim tão descontraído? “É preciso ter disciplina. Às vezes nos sentimos confortáveis até demais”, brinca o publicitário.

SEM CONVENÇÕES
Casa na árvore para relaxar, muros externos cobertos por pinturas e um bar para drinques. No interior do galpão de 180 m², na Vila Madalena, funciona o escritório de arquitetura Superlimão Studio, idealizado pelos sócios Sérgio Cabral, Thiago Rodrigues, Antonio Carlos e Lula Gouveia. Ex-garagem com boa iluminação natural, o local tempoucas portas – que ficam sempre abertas – e reproduz valores aplicados nos trabalhos do escritório, como o reaproveitamento de peças, a criatividade e o bom humor. Reuniões são realizadas ao ar livre em bancos de madeira trazidos de obras. Na parte interna, murais convidam a equipe a expressar ideias e anotar compromissos. “Se tivéssemos escolhido um conjunto comercial não teríamos os mesmos resultados”, conta Antonio Carlos.

PAUSA PARA IOGA
Radicada em São Paulo há dez anos, a designer nova-iorquina Lina Miranda temo privilégio de, no meio do expediente, dar uma passadinha em casa para ver a filha. Na mesma rua onde mora, no Jardim Paulistano, encontrou um imóvel de 200 m² onde montou o ateliê da marca Square Foot. Com tijolos e tubulações elétricas aparentes, o local já abrigou um depósito de bebidas, um restaurante e uma floricultura. O rico passado foi mantido na estética atual: no meio do escritório, o fogão a lenha permaneceu intacto e abriga a máquina de café. “A área é ampla e temo pé-direito alto. Assim, posso estender os tapetes e mostrar meu trabalho com tranquilidade”, diz Lina. Entre um compromisso e outro, a designer e sua equipe desligam os celulares e fazem sessões de ioga.

MUNDO COR-DE-ROSA
Muitas das lojas e vitrines que vemos nos shoppings, em especial as de grifes de moda, foram projetadas por Camila Salek. Sócia-diretora da Vimer, empresa de experience merchandising, a mineira começou em uma sala séria e fechada, na tradicional avenida Faria Lima. Em pouco tempo, resolveu se mudar para a Vila Madalena. “A região é mais leve e alegre, além de estar perto de casa”, diz ela, mãe de gêmeas. No espaço de 270 m², sofás Chesterfields – iguais ao que a empresária temno apartamento onde mora – preenchem a sala de espera, marcada por tijolos e concreto aparentes. Na sala de reunião, a mesa retangular cor-de-rosa surpreende. “Quando faço um projeto, sempre escolho um móvel principal e o que pode vir ao redor dele. Aqui, segui o mesmo princípio”, conta. Do lado de fora, o jardim com mesa e rede é cenário de papos sérios, mas também de festinhas com a equipe toda sexta-feira.

SEGUNDA CASA
Cenógrafo e arquiteto, o croata Marko Brajovic trocou as temperaturas geladas pelo calorzinho brasileiro e não gosta de chamar de escritório seu local de trabalho. “Estamos bem longe de ser um escritório. Aqui é a minha segunda casa”, conta. Goiabeira, bicicletário, mesinhas ao ar livre e até um solário para reuniões sob a luz do dia fazem parte do sobrado de 90 m² em Perdizes, antes habitado por um casal de idosos. Na sala de projetos, bancadas compartilhadas sem divisórias unem profissionais de áreas criativas, como design audiovisual e de produto. Para simbolizar a simplicidade, Marko escolheu a cor branca para paredes e móveis – incluindo a estante feita de caixotes de plástico.

Materia publicada no site Revista Casa e Jardim em 25 de Agosto de 2014 por Jéssica Ferrara com Mariana Mello | Fotos Lufe Gomes