English Version

COMO AS EMPRESAS USAM A INTERNET PARA VENDER MAIS

10/09/2014

O Walmart.com fez uma promoção em seu site do Brasil, no qual vendeu 120 toneladas de sabão em pó Omo, marca da Unilever, em apenas 30 horas. A L'Oréal criou um produto novo a partir de buscas no Google. A Kimberly-Clark também usou as procuras por termos na internet para construir seu plano de marketing e aumentou em 40% as vendas do lenço Kleenex. Esses são alguns exemplos, apresentados em evento realizado pelo Google ontem, em São Paulo, de como as empresas estão lançando mão da internet para ampliar seus negócios.

A promoção no Walmart.com, no início de agosto, promoveu categorias com baixa penetração no site, como produtos para bebês, "pet", cuidados pessoais e de limpeza, disse Mauro Correia, diretor comercial de produtos para casa da Walmart.com. O site registrou 4,5 milhões de acessos, e as vendas aumentaram cinco vezes em relação a um dia comum.

Vender pela internet itens de consumo recorrente e de preço baixo menor, como produtos de limpeza, é um desafio, segundo Correia. Apenas 1% das vendas de produtos de limpeza são feitas on-line. Para viabilizar o frete, o Walmart e a Unilever fizeram kits. O sabão Omo foi vendido em kits de 8 quilos, e o sabonete Dove, em dez unidades. A cada uma hora, um vídeo apresentava uma nova promoção, como das fraldas Pampers, da P&G, em que um pacote de 180 unidades, vendido a R$ 125, era ofertado a R$ 99,90.

O executivo destacou que 10% das vendas foram feitas via dispositivos móveis, como smartphones e tablets, acima da média do mercado. Segundo a consultoria e-bit, 7% das vendas on-line realizadas no Brasil em junho deste ano foram feitas por meio de dispositivos móveis, o dobro do percentual de um ano antes. As buscas feitas no Google geraram 30% das vendas.

A L'Oréal observou que as buscas pelo termo "ombré hair" começaram a surgir no Google em 2011 e, desde então, cresceram exponencialmente. Esse é o nome da técnica de descoloração dos cabelos criada na Califórnia, nos Estados Unidos, que no Brasil é conhecida como mechas californianas. O aumento da procura por esse estilo de cabelo fez com que a companhia francesa criasse um novo produto, em apenas três meses.

"Mais gente procurava por 'ombre hair' do que por L'Oréal em si", disse Matt Maltby, da área de anúncios de publicidade do Google. Segundo o executivo, o internauta geralmente busca um termo para saber o que é ou como fazer. Até então, as dicas na internet direcionavam para que a consumidora fosse ao cabeleireiro. A companhia identificou uma oportunidade e lançou, no ano passado, um kit para que a consumidora faça suas mechas em casa.

No inverno de 2013, a agência de publicidade Mindshare usou o registro histórico de casos de gripe e informações de buscas por palavras como "resfriado" no Google para aumentar as vendas dos lenços de papel Kleenex. Com a combinação dos dados, a agência determinou a área de foco da campanha, com 96% dos gastos em áreas infectadas. As vendas do produto da Kimberly-Clark aumentaram 40% durante a campanha, o que representou quase 500 mil caixas a mais do que no ano anterior.

Matéria publicada no jornal Valor Econômico em 10 de Setembro de 2014 por Adriana Meyge