English Version

SETOR CERÂMICO INVESTE MAIS EM PORCELANATO

03/07/2014

O setor cerâmico está mais agressivo nos investimentos em porcelanato, para enfrentar a importação do produto e atender à demanda, principalmente, de incorporadoras para os empreendimentos em fase de acabamento. Do total de R$ 957 milhões de aportes programados pelas indústrias de revestimentos cerâmicos para 2014 e 2015, 70% são direcionados para a produção de porcelanatos, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres (Anfacer).

O consumo brasileiro de porcelanatos cerâmicos começou a ganhar força nos últimos dez anos com o aumento da renda da população e tem sido abastecido principalmente com importados da China. A importação desestimulou investimentos em porcelanato pela indústria nacional, mas, com as perspectivas de decisão favorável ao Brasil em relação ao processo antidumping movido pelo setor contra a China, as fabricantes nacionais passaram a se sentir incentivadas a investir na expansão da capacidade, segundo Kieling.

Além disso, conforme o representante da Anfacer, à medida que o setor avançou tecnologicamente, seus produtos de porcelanato tornaram-se mais competitivos, o que também estimulou as empresas a aumentar suas apostas nesse tipo de revestimentos.

A China é o maior produtor mundial de revestimentos cerâmicos, seguida pelo Brasil, pela Índia, pelo Irã e pela Itália. Em 2012, a produção chinesa foi de 7,4 bilhões de m2 a brasileira, de 865,9 milhões de m2 e a indiana, de 680 milhões de m2. No ano passado, o Brasil produziu 870,1 milhões de m2 de revestimentos cerâmicos, dos quais 92 milhões de m2 referem-se a porcelanatos. A capacidade instalada de revestimentos cerâmicos no Brasil é de pouco mais de um bilhão de m2.

Os investimentos de R$ 957 milhões previstos para o biênio 2014 e 2015 correspondem a 18 novas linhas de produção.
Matéria publicada pelo Jornal Valor Econômico em 1 de Julho de 2014.