English Version

DESIGN URBANO BACANA

04/06/2014

Como apontei em minha última coluna, "Design urbano medíocre", são poucas as referências recentes que temos em cidades brasileiras de design urbano com qualidade de projeto.

Em sua maioria, são espaços públicos genéricos e sem identidade. Perguntei a profissionais que admiro sobre seus exemplos inspiradores.

Para os arquitetos do MK27, capitaneados por Márcio Kogan, o Parque Martin Luther King, em Clichy-batignole, Paris, é um exemplo de capacidade de planejamento urbano e melhoria da qualidade de vida.

Situado num grande lote desapropriado, com galpões e uma antiga garagem de trem, o projeto é fruto da parceria entre poder público e privado. As regras (claras) foram definidas pela prefeitura, como um concurso de projeto de arquitetura entre as incorporadoras e o uso misto, com habitação social, creches, equipamentos públicos e moradia de alto padrão.

O arquiteto Mario Figueroa, coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da FAAP, indicou o A8ernA, projeto do NL Architects, em Koog aan de Zaan, perto de Amsterdã (Holanda). Trata-se de uma rodovia elevada para carros, construída em 1970, que cortou brutalmente a cidade.

A prefeitura enxergou uma oportunidade na área abandonada em baixo do elevado, e os desejos e as sugestões da comunidade local serviram como ponto inicial: supermercado, floricultura, peixaria, galeria de grafite, half para skatistas, quadra de esportes, pista de dança, área para churrasco e pontos de ônibus.

"Este projeto nos faz sonhar com o que poderíamos fazer com todos os nossos [e sao muitos] espaços residuais", diz Mario Figueroa. Esse é mais um exemplo para o nosso tão sonhado Parque Minhocão. Acorda, prefeitura!

O arquiteto Fernando de Mello Franco, secretário de desenvolvimento urbano de São Paulo, me indicou a recente regulamentação dos "parklets" em São Paulo, que transforma vagas de carros, nas ruas, em mobiliário urbano.

Esses são três projetos de como o bom design urbano, criado de modo colaborativo e aberto, pode transformar para sempre nossas cidades e nossas vidas.
Matéria publicada pelo Jornal Folha de São Paulo em 1 de Junho de 2014.