CCASA HOSTEL – TAK ARCHITECTS

Casa 1

  • Arquitetos: TAK architects
  • Localização: NHA Trang, Província Khanh Hoa, Vietnã
  • Architect in Charge: Ngo Tuan Anh
  • Área: 195 m²
  • Ano do projeto: 2016
  • Fotografias: Quang Tran
  • Fabricantes: Florens, Hoa Sen Group, Dong Tam Group

Casa 2

Ccasa Hostel é o primeiro albergue construído a partir de containers em Nha Trang, Vietnã. O albergue está localizado no norte da cidade, a cerca de 3 km do centro e a 3 minutos a pé da praia. É perto de locais famosos em Nha Trang, como o Hon Chong – Hon Vo (enorme promontório rochoso associado com um mito local fascinante), o Templo do Khmer da deusa Ponaga, um resort de água mineral natural, etc.

Casa 3Este é um albergue para mochileiros criado com o lema de que todos, de qualquer lugar do mundo, podem fazer parte de uma grande família. Ccasa foi construído para funcionar como uma casa de família com camas beliche dentro de containers transformados em quartos, além de áreas compartilhadas, cozinha e sala de estar, cobertura, sala de jogos, lavabos e banheiros. Portanto, o espaço de dormitórios foi reduzido ao mínimo, apenas o suficiente para dormir. Em contraste, o espaço compartilhado foi expandido ao máximo para aumentar a ligação entre os viajantes, assim como a área de banheiros.

Casa 4O albergue é composto por três blocos funcionais: o bloco de serviço, o bloco de dormitórios e o bloco de banheiros. Destes, o bloco de serviço foi feito de estrutura de aço e chapas de metal pintadas de preto; o bloco de dormitórios foi definido em três containers antigos, pintados de três cores que simbolizam três tipos de quartos; e o bloco de banheiros foi construído de forma tradicional, com alvenaria rústica pintada de branca e concreto. Esses três blocos foram conectados pelo espaço comum, compartilhado, bem como pelo espaço de circulação, que é aberto ao máximo para a natureza. Esta é a principal característica que torna o projeto suave e harmônico.

Casa 5Algumas outras características deste projeto são as entradas para os quartos, que não são mais corredores abafados, mas pontes abertas luminosas cobertas por árvores e pérgolas, que fazem os viajantes se sentirem bastante relaxados e confortáveis ao sair ou entrar no quarto. Ao lado, também utilizou-se uma abordagem ousada para a cobertura, com grandes redes penduradas em todo o espaço vazio para trazer a sensação de “flutuar” em meio à natureza.

Casa 6Usando containers antigos, estrutura de aço, árvores e pérgolas, o albergue Ccasa traz um sentimento forte e industrial, mas harmônico e natural. Além disso, as telhas de cimento encáusticas, janelas antigas de madeira, cestas e cimento rústico foram usadas de forma inteligente para atrair a atenção das pessoas e remeter ao imaginário da arquitetura vernacular do Vietnã. A pérgola que cobre o albergue não só faz com que ele pareça mais verde, mas também atua como uma segunda pele para proteger da luz solar direta e resfriar o ar de dentro.

Casa 7Depois de concluído, o albergue Ccasa tornou-se um destino atraente para os viajantes, e também contribuiu com mais espaços verdes para a cidade, reduzindo seu impacto negativo sobre o meio ambiente.

Casa 8

Matéria publicada por Arch Daily em 03 de março de 2017

Publicado em Arquitetura | Deixar um comentário

SOUFUU: UM PONTO DE ENCONTRO PARA O DESCANSO

Soufru 1

Quando temos jardins e quintais dá uma vontade a mais de aproveitar esses dias de calor de verão, não dá? Talvez essa peça possa ser uma saída de aproveitar o seu quintal. A ideia dessa estrutura foi unir várias poltronas para que você e seus amigos possam curtir os dias de folga.

Soufru 2

Batizado de Soufuu, a ideia da pessoa é para que a peça se torne um ponto de encontro onde você e seus amigos e parentes possam desfrutar de tempos de descanso juntos. A ideia é bem interessante e você pode adaptar para qualquer ambiente. Imagine essa estrutura de repente surgir no meio da sua sala e substituir o bom e o clássico sofá?

Matéria publicada por Eye4Design em 24 de fevereiro de 2017

Publicado em Design de Interiores | Deixar um comentário

ARQUITETO TRANSFORMA FÁBRICA ABANDONADA EM CASA ESPETACULAR

Uma antiga fábrica de cimento em Barcelona deu lugar a um verdadeiro palácio graças ao trabalho do arquiteto Ricardo Bofill. Construída durante a Primeira Guerra Mundial, a estrutura foi recuperada e totalmente transformada pelas mãos do profissional, que fez da antiga construção seu novo lar.

Arq 1

Antes abandonada, a fábrica ganhou vida com uma nova vegetação e a integração entre os ambientes interno e externo. As chaminés industriais foram substituídas por exuberantes jardins e janelas bem amplas, que conferem ao projeto um aspecto de ruína romântica.

LEIA MAIS: Armazém antigo é transformado em restaurante luxuoso em Londres

As obras da nova construção ainda estão em andamento e Bofill compara o projeto a sua própria vida, e como suas percepções para o futuro estão em constante mudança, assim como a fábrica.

Arq 2Comprada por ele em 1973, a fábrica passou por um processo de desconstrução para se adaptar ao estilo de vida moderno. O exterior de concreto aparente recebeu uma vegetação viva com grama, eucaliptos, palmeiras e oliveiras, enquanto a estrutura interior foi adaptada para servir de moradia para Bofill. “Tenho a impressão de viver em um universo fechado que me protege do exterior e da vida cotidiana”, diz o arquiteto.

Arq 3

Arq 4

“A fábrica é um local de trabalho por excelência. A vida aqui é uma sequência contínua, com pouca diferença entre trabalho e lazer”, afirma Bofill, que continua trabalhando no projeto de seu novo lar.

Arq 5

Arq 6

Para dar continuidade às obras, Bofill e sua equipe trabalham em um estúdio construído dentro da antiga fábrica.

Arq 7

Arq 8

Matéria publicada por Casa Claudia em 01 de março de 2017

 

 

Publicado em Arquitetura | Deixar um comentário

WHEELHOUSE: A UNIÃO ENTRE O CAFÉ E A BIKE EM LOS ANGELES

Whe 1As elegantes fachadas pretas fazem uma combinação perfeita com as bancadas de aço. Com uma pegada industrial, em todos ambientes do Whellhouse, a bike torna-se a grande vedete do projeto, afinal em todas paredes alguma bike se destaca, seja na fachada preta no principal ambiente do café, ou nas paredes secundárias.

Whe 2O café ficou em um ambiente mais amplo, o que fazem as duas lojas serem integradas. Um mezanino faz comunicação com o café no andar debaixo o que faz o estabelecimento ser bastante interessante.

Matéria publicada por Eye4Design em 01 de março de 2017

Publicado em Comportamento, Interiores | Deixar um comentário

VOCÊ VAI QUERER CONHECER ESTAS ESCADARIAS ANTIGAS DE BUDAPESTE

O fotógrafo húngaro Balint Alovits registrou as escadarias de estilo Bauhaus e Art Déco dos anos 30 e 40

Escada 1Em sua nova série fotográfica, intitulada Time Machine (Máquina do Tempo, em inglês), o fotógrafo húngaro Balint Alovits se concentrou na beleza arquitetônica das escadarias.

Escada 2Todas registradas em Budapeste, na Hungria, as imagens expõem o estilo Bauhaus e Art Déco dos degraus, que datam dos anos 30 e 40.

Escada 3“As fotografias mostram escadarias espirais da mesma perspectiva central. Com a energia dessas formas espirais, os trabalhos de Time Machine criam uma nova dimensão dividindo espaço e tempo, mas permanecem dentro dos limites visuais do conceito do projeto enquanto os detalhes arquitetônicos evocam a ideia de infinidade”, conta a página oficial do fotógrafo, que passou capturou as imagens de 2013 a 2016.

Escada 4

Confira mais fotos abaixo:

Escada 5

Escada 6

Escada 7

Escada 8

Escada 9

Matéria publicada por Casa Claudia em 28 de fevereiro de 2017

Publicado em Arte, Fotografia | Deixar um comentário

RAFAEL ARANDA, CARME PIGEM E RAMOM VILALTA VENCEM O PRÊMIO PRITZKER 2017

Pritzker 1

Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta foram nomeados os vencedores do Prêmio Pritzker 2017. Seus projetos destacam a materialidade e as técnicas construtivas – fazendo intenso uso da cor, transparências e luz – e abrangem uma ampla gama de programas, de museus e teatros a escolas e residências.

Os três arquitetos, todos catalães e originários de Olot, trabalham conjuntamente como RCR Arquitectes desde 1988 e se formaram em arquitetura pela ETSAV (Escola Tècnica Superior d’Arquitectura del Vallès) um ano antes. Esta 39ª edição do Pritzker é a primeira vez em que três arquitetos são premiados simultaneamente a apenas a segunda vez que o prêmio é concedido a algum arquiteto espanhol – a primeira vez que isso ocorreu foi com a premiação de Rafael Moneo em 1996.

Pritzker 2Sua relação profissional de quase três décadas tem demonstrado “um comprometimento inflexível com o lugar e suas narrativas”, buscando criar espaços que estejam em discurso com seus respectivos contextos. Ao “harmonizar a materialidade com a transparência, Aranda, Pigem e Vilalta procuram conexões entre o exterior e o interior”, resultando em uma arquitetura “emocionante e experiencial.”

Aranda, Pigem e Vilalta passaram as suas respectivas carreiras desenvolvendo, na sua maior parte, projetos com um profundo foco e influência local; a maioria de suas obras foi construída na Europa, em especial na península ibérica e Espanha. Dentro deste contexto, o trio tem procurado evocar uma identidade universal, empregando uma paleta de materiais que inclui aço reciclado e plástico. “Eles têm demonstrado”, disse Glenn Murcutt, Presidente do Júri deste ano, “que a singularidade de um material pode render uma incrível força e simplicidade para um edifício.” E continuou:

A colaboração desses três arquitetos produz uma arquitetura austera de nível poético, representando um trabalho atemporal que reflete grande respeito pelo passado, ao passo que projeta a clareza do presente e do futuro.

Pritzker 3É evidente que esse aspecto – a valorização da arquitetura produzida localmente em um mundo globalizado – foi fundamental para a escolha dos laureados. “Cada vez mais pessoas temem que, por causa da influência internacional”, diz a citação do júri, “perderemos nossos valores locais, nossa arte local e nossos costumes locais.” O júri acredita que os vencedores “nos ajudam a ver, de uma forma mais bela e poética, que a resposta à questão não é ‘ou isso ou aquilo’ e que podemos, pelo menos na arquitetura, buscar ambos; nossas raízes firmes no local e nossos braços estendidos para o resto do mundo.”

Pritzker 4

Em conversa exclusiva com o ArchDaily em relação ao prêmio Aranda, Pigem e Vilalta afirmaram que “ao estarem” isolados “não se distraíram com problemas profissionais, como o ciúmes. Nós não desperdiçamos nosso tempo com a crítica. Quando você está distraído, “argumentam”, você não consegue se aprofundar”. Eles afirmam que, em “um mundo que se move muito rapidamente e é muito inquietante, [...] a palavra” incerteza ” entra em jogo com a “complexidade” – “não se pode enfrentar a incerteza com a simplicidade”. O mundo contemporâneo, insistem, “pode ser desorientador.” Na prática, eles passaram o curso focalizados na sua paixão em sua arquitetura com uma “grande intensidade . “

Nesse sentido, o que esse prêmio pode nos dar? Eu gostaria de ser capaz de fazer menos projetos, mas com mais intensidade.

Pritzker 5Em 2013, os três arquitetos fundaram a Fundação RCR BUNKA para “apoiar a arquitetura, a paisagem, as artes e a cultura em toda a sociedade”. Participaram de diversas exposições, como por exemplo o III Salão Internacional de Arquitectura de Paris e a Bienal de Arquitectura de Veneza (2000, 2002, 2006, 2008, 2012, 2014, 2016). Receberam o Prêmio Nacional de Cultura em Arquitectura 2005 concedido pelo Governo da Catalunha; o Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres 2008 e 2014 da França; foram nomeados membros honorários do American Institute of Architecture (AIA) em 2010; nomeados membros internacionais do Royal Institute of British Architects (RIBA) em 2012; e premiados com a Medalha de Ouro pela Académie d’Architecture francesa em 2015.

Pritzker 6

Citação do júri

Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta, três arquitetos que trabalharam em estreita colaboração por quase 30 anos em uma abordagem deliberada e séria com a arquitetura, foram reconhecidos com o Prêmio Pritzker de Arquitetura 2017. Suas obras cumprem as exigências tradicionais da arquitetura com a beleza física e espacial, juntamente com a função e técnica de forma admirável e poética. Mas o que os diferencia é sua abordagem que cria edifícios e lugares que são locais e universais ao mesmo tempo. Eles estabeleceram seu escritório, chamado RCR em razão dos seus três primeiros nomes, em Olot, sua cidade natal na região catalã no nordeste da Espanha, resistindo à chamada da metrópole para permanecerem estreitamente conectados às suas raízes. O processo que desenvolveram é uma verdadeira colaboração na qual nem uma parte ou todo um projeto pode ser atribuído a um só sócio. Sua abordagem criativa é uma mistura constante de ideias e um diálogo contínuo.

Todas as suas obras carregam um sentido de lugar e são fortemente ligados à paisagem circundante. Esta conexão vem da compreensão –da história, topografia natural, costumes e culturas, entre outras coisas– e da observação e experimentação da luz, sombras, cores e estações. A implantação dos edifícios, a escolha dos materiais e as geometrias utilizadas destinam-se sempre a realçar as condições naturais e a trazê-las para dentro do edifício. A vinícola Bell-Lloc (2007), na cidade de Palamós, próxima de Girona, Espanha, por exemplo, é um edifício embutido no solo. É sobre o solo que produz as uvas, as frescas adegas escuras necessárias para o envelhecimento do vinho e a cor e o peso da terra. O uso extensivo de aço reciclado funde o edifício à terra e as aberturas entre as ripas de aço permitem vislumbres de luz.

Pritzker 7

A marquise (2011, que cria um espaço de jantar ao ar livre e local para eventos no Restaurante Les Cols em Olot, é outro exemplo da fusão da paisagem e materiais modernos mínimos para criar um local útil e popular. Alguns disseram que relembra lugares para as refeições no campo com a família e amigos. O espaço se encaixa em um vale esculpido pelos arquitetos na paisagem. Fortes paredes de pedra vulcânica apoiam um peso leve e telhado de polímero transparente para proteger contra a chuva e o sol. Os móveis e persianas verticais que podem subdividir o espaço também são de plástico transparente, colocando a ênfase na comida, festividades e o entorno natural.

Pritzker 8Em outras obras, como o seu próprio escritório (2007), uma antiga fundição construída no início do século XX, a justaposição do passado e do presente é empreendida de uma forma mais criteriosa, clara e respeitosa. Assim como exterior e interior estão intimamente entrelaçados em suas obras, estão o novo e o antigo. Tudo do edifício industrial original que poderia permanecer, foi deixado “como está”. Ao adicionar novos elementos apenas quando necessário e em materiais contrastantes, os arquitetos demonstram o seu amor pela tradição e inovação. O edifício resultante, que chamam de Laboratório Barberí, é composto de espaços variados, flexíveis e altamente funcionais. Enquanto Rafael ArandaCarme Pigem e Ramon Vilalta têm um profundo sentido e conhecimento da história, eles usam materiais e construções modernas para criar espaços que não poderiam ter sido criados antes.

Pritzker 9Comunidade é outra palavra que vem à mente ao falar da obra de Aranda, Pigem e Vilalta. Tanto na Escola de Enfermagem brilhante e colorida de Besalú, Girona, no Jardim de Infância de El Petit Comte (2010) e na Biblioteca Sant Antoni – Joan Oliver, no Centro de Idosos e nos Jardins Cándida Pérez em Barcelona (2007), os que habitarão os projetos estão na vanguarda das suas preocupações. É óbvio ao ver as cores do arco-íris dos tubos que definem o exterior da escola que isso é para o prazer, criatividade e fantasia das crianças. A biblioteca, uma comissão ganha através de um concurso, como muitos dos projetos do RCR, está situada dentro do tecido urbano de uma quadra existente, é uma comodidade necessária em uma parte movimentada de Barcelona. Os visitantes são recebidos na biblioteca. A riqueza e a variedade de espaços convidam a exploração e são casuais o suficiente para criar uma atmosfera descontraída e amigável. A biblioteca também funciona como uma porta de entrada para um pátio interno. O centro de idosos olha para este espaço onde as crianças, frequentadores de biblioteca, vizinhos e idosos podem se misturam.

Pritzker 10

Pritzker 11Os arquitetos também abordaram importantes obras fora da Catalunha, tendo construído na Bélgica e na França. O Museu Soulages (Rodez, França), por exemplo, abriga as obras do pintor abstrato Pierre Soulages e conforma uma simbiose com o artista, que parece pintar com luz. Este edifício de aço e fortes formas geométricas conforma um balanço sobre o terreno, parecendo desafiar a gravidade e, como muitos de seus outros trabalhos, dialoga com a paisagem. Os arquitetos têm procurado criar “um espaço mais próximo possível da natureza, aumentando nosso senso de que somos parte dela”.

Pritzker 12

Nestes dias e época, há uma questão importante que as pessoas em todo o mundo estão perguntando, e não é apenas sobre a arquitetura; É sobre lei, política e governo também. Vivemos em um mundo globalizado onde devemos confiar em influências internacionais, comércios, discussões, transações, etc. Mas cada vez mais pessoas temem que, por causa dessa influência internacional, perderemos nossos valores locais, nossa arte local e nossos costumes locais. Eles estão preocupados e, às vezes, assustados. Rafael ArandaCarme Pigem e Ramon Vilalta nos dizem que pode ser possível ter ambos. Eles nos ajudam a ver, de uma forma mais bela e poética, que a resposta à questão não é ” ou” e que podemos, pelo menos na arquitetura, aspirar a ter ambos´, com nossas raízes firmemente no lugar e nossos braços estendidos para o resto do mundo. E essa é uma resposta maravilhosamente reconfortante, especialmente se ela se aplica também em outras áreas da vida humana moderna.

Cada edifício projetado por esses arquitetos é especial e intransigente de seu tempo e lugar. Suas obras são sempre o fruto de uma verdadeira colaboração e de serviço à comunidade. Eles entendem que a arquitetura e seus arredores estão intimamente entrelaçados e que a escolha dos materiais e o ofício de construção são ferramentas poderosas para criar espaços duradouros e significativos. Por essas razões, exemplificadas em toda sua obra construída, e pela habilidade de expressar o local, mas também o universal, unindo-os através da arquitetura, Rafael ArandaCarme Pigem e Ramon Vilalta são premiados com o prêmio Pritzker de arquitetura em 2017.

Pritzker 13

Júri do Prêmio Pritzker 2017

  • Glenn Murcutt (Chair): Arquiteto e vencedor do Pritzker de 2002. Sydney, Austrália.

  • Stephen Breyer: Membro do Supremo Tribunal de Justiça dos EUA. Washington, DC.

  • Yung Ho Chang: Arquiteto and educador. Pequim, China.

  • Kristin Feireiss: Arquiteta, curadora, escritora e editora. Berlim, Alemanha.

  • Lorde Palumbo: Patrono da arquitetura, Presidente emérito do Serpentine Galleries; Ex-presidente do Conselho de Arte da Grã-Bretanha. Londres, Inglaterra.

  • Richard Rogers: Arquiteto e vencedor do Pritzker de 2007. Londres, Inglaterra.

  • Benedetta Tagliabue: Arquiteta e educadora. Barcelona, Espanha.

  • Ratan N. Tata: Presidente emérita de Tata Sons. Mumbai, Índia.

  • Martha Thorne (Diretora Executiva): Decana, IE School of Architecture & Design. Madri, Espanha.

Matéria publicada por Arch Daily em 1° de março de 2017

Publicado em Arquitetura | Deixar um comentário

JADER ALMEIDA E DECA APRESENTAM NOVA LINHA EM PREVIEW PARA A REVESTIR 2017

IMG 1

A décima quinta edição da Expo Revestir está chegando, e as novidades para a Fashion Week da Arquitetura e Decoração já estão aparecendo. Dia 22 de fevereiro foi o dia da Deca realizar um preview para a Revestir e ainda anunciar o lançamento da nova linha  assinada por Jader Almeida. As novidades foram muitas e vamos tentar resumir detalhadamente tudo. Um dos principais destaques da Deca é o Chuveiro 3D, ele é um produto conceito único. Com um design arrojado,  foi produzido em uma impressora 3D, e composto de tramas entrelaçadas por onde a água percorre. Um grande diferencial desse produto que  é diferente dos chuveiros convencionais.

IMG 2As linhas LK e DK deram o que falar também no preview. A LK apresenta um design suave e delicado que acaba sendo evidenciado pelo acionamento por alavanca. Já a DK seguiu o mesmo conceito diferenciando-se apenas pelo design de seu acabamento.

IMG 3Mas quem foi o grande protagonista do evento foi Jader Almeida. A sua nova linha faz com que o designer de continuidade ao trabalho que iniciou na Deca em 2015. A cuba L.300 destaca-se pelo visual leve, com as laterais planas que servem para acomodar frascos e convergem para o centro onde a água escoa de maneira suave. A torneira possui traços elegantes e junto com a cuba forma um conjunto atemporal.

IMG 4Lembrando que a Expo Revestir vai acontecer agora entre os dias 7 e 10 de março no Transamerica Expo Center. Esse ano é mais que especial, já que a feira está comemorando 15 anos. E com toda certeza, nos próximos dias novidades não vão faltar no segmento, e nós do E4D estaremos ligados em tudo!

Matéria publicada por Eye4Design em 22 de fevereiro de 2017

Publicado em Banheiros, Design | Deixar um comentário

TONS NEUTROS DOMINAM A CASA DO EX-JOGADOR CAFU EM ALPHAVILLE

Em São Paulo, a casa do ex-jogador de futebol conta com dois mil metros quadrados e um décor claro com toques de preto

Cafu 1

Cafu 2Uma casa que contasse sua história, acomodasse a família de forma prática e aconchegante e que tivesse toques de preto no décor: esse foi o pedido principal do ex-jogador de futebol Cafu à arquiteta e designer de interiores Ana Rita Sousa e Silva, do escritório AR Arquitetura & Design.

Cafu 3Em Alphaville, São Paulo, a casa do capitão do penta da seleção brasileira conta com dois mil metros quadrados e espaços de lazer abundantes, como campo de futebol de grama artificial, piscina, hidromassagem, academia, vestiários, bar, cinema, sala de jogos e churrasqueiras.

Cafu 4“Desde o início tive total liberdade de criação. Ele apenas disse ‘quero uma casa linda, aconchegante, elegante e com toques de preto’”, conta Ana Rita.

Cafu 5No décor, as cores neutras se destacam, intercaladas com o uso da madeira. Os toques de preto, que o morador tanto desejava, harmonizam na bancada da cozinha, no painel que integra televisão e lareira na sala e nos detalhes da decoração.

Cafu 6A morada de Cafu, que jogou nas Copas do Mundo de 1994 a 2006, também deveria possuir uma sala de troféus que expusesse seus prêmios e camisetas, assim como os três lustres de Murano que ele havia comprado.

Cafu 7A sala de troféus, aliás, tem função dupla e abriga o escritório do ex-jogador. Ali, bolas, chuteiras, prêmios e camisetas colorem o espaço predominantemente neutro.

Cafu 8Confira mais imagens abaixo:

Cafu 9

Cafu 10

Cafu 11

Cafu 12

Cafu 13

Matéria publicada por Casa Claudia em 28 de fevereiro de 2017

 

 

Publicado em Arquitetura, Decoração, Design de Interiores | Deixar um comentário

QUARTO INFANTIL EM BARCELONA FOGE DO SENSO COMUM

Barcelona 1Esse post é especifico para quem não vai fazer nada no carnaval e vai aproveitar esses dias de folga para dar uma geral em seu apartamento. Esse projeto pode servir de uma grande inspiração em como transformar o quarto dos filhos, que sempre acabamos deixando de lado ou até infantilizando demais o ambiente. O projeto é de Barcelona, e os arquitetos resolveram fugir do senso comum, e a nossa equipe se anima tanto em projetos que fogem do óbvio.

Barcelona 2A ideia aqui nesse projeto é não deixar o ambiente com uma cara de infantil, e sim apostar em soluções minimalista e de que de certa forma consigam aproveitar o máximo o pequeno ambiente. A cama ficou destinada ao mesmo móvel que serve como estante e escrivaninha. E ai? Que tal aproveitar esse projeto como inspiração?

Matéria publicada por Eye4Design em 22 de fevereiro de 2017

Publicado em Comportamento, Interiores | Deixar um comentário

NOVO CAMPUS DA APPLE SERÁ INAUGURADO EM ABRIL

O novo espaço da gigante de tecnologia poderá ser visitado pelo público e terá grande interação com a natureza

A Apple anunciou que seu novo campus, com o custo de aproximadamente 5 bilhões de dólares, será inaugurado em abril. A empresa disse que deve demorar mais de seis meses para mover mais de 12 mil funcionários para o novo campus, que fica em uma área de 70 hectares.

Apple 1

A construção tem a forma de um anel e a conclusão das obras está alguns meses atrasada de acordo com os planos. O campus tem sido chamado de Apple Park e contará com:

Um centro para visitantes com uma Apple Store e um café aberto ao público;

Um centro de esportes com cerca de 10 mil metros quadrados;

Instalações para pesquisa e desenvolvimento;

Pistas para caminhada e corrida;

Um pomar e uma lagoa.

Apple 2

A Apple começou a trabalhar no Apple Park em 2013. Tim Cook, CEO da Apple, disse aos funcionários no ano passado que pretendia mover os primeiros grupos para o novo campus em janeiro de 2017.

A empresa também revelou que o novo auditório deverá chamar Steve Jobs Theatre. O espaço, que também deve inaugurar este ano, fica em uma colina com vista para o resto do campus e foi projetado com um telhado metálico com fibra de carbono.

Apple 3

“A visão de Steve para a Apple foi muito além do seu tempo com a gente. Ele pretendia que o Apple Park fosse o lar da inovação para as gerações futuras”, disse Cook, para o site Business Insider. “As áreas de trabalho e os parques foram desenhados para inspirar a equipe ao mesmo tempo em que beneficiasse o meio ambiente. Conseguimos um dos prédios mais eficientes em termos de energia e o campus funcionará inteiramente com energia renovável”.

Tim Cook ainda declara: “Conectar edifícios extraordinariamente avançados com a natureza ao redor, cria um ambiente próspero para as pessoas criarem, colaborarem e trabalharem em conjunto. Temos sido muito sortudos em poder trabalhar ao longo de todos esses anos com o notável escritório de arquitetura Foster + Partners”.

Confira um vídeo do Apple Park:

 

Matéria publicada por Casa Claudia em 23 de fevereiro de 2017

Publicado em Arquitetura, Construção, Sustentabilidade | Deixar um comentário