CASAS DE CAMPO DE TREBILHADOURO – ANDRÉ TAVARES

Casa 1

  • Arquitetos: André Tavares
  • Localização: Rua Aldeia do Trebilhadouro nº112 – Roge, 3730-704 Vale de Cambra, Portugal
  • Arquiteto Responsável: André Tavares
  • Especialidades: Ana Rita Moura, Carlos Moura, Fernando Meireles
  • Construção: Rogério B. Santos Construções Lda.
  • Colaboração: Mariana Alves e Diogo Ramalho
  • Área: 897.0 m2
  • Ano do projeto: 2015
  • Fotografias: Arménio Teixeira

Casa 2 A obra apresentada consiste na transformação de 9 casas para Turismo no Espaço Rural, dispersas pela aldeia do Trebilhadouro que, pelo seu tamanho reduzido e pela proximidade das construções, vê assim grande parte do seu patrimônio construído ser reabilitado.

Casa 3Casa 4

Casa 5

A aldeia do Trebilhadouro localiza-se na vertente Poente da serra da Freita, em Vale de Cambra, a cerca de 625m de altitude. A sua posição estratégica permite-lhe uma visão privilegiada do território circundante nomeadamente a Ria de Aveiro.

Trata-se de uma aldeia de pequena dimensão, onde as construções se implantam segundo um percurso central que atravessa toda a povoação. Este percurso, com um acesso a partir da estrada municipal, atravessa uma série de socalcos agrícolas para chegar até à cota estável onde se situa a aldeia. No centro da povoação situa-se a fonte e a represa para rega dos terrenos.

Casa 6

Casa 7

As construções são de pequena dimensão, maioritariamente com dois pisos, em alvenaria de pedra com estrutura da cobertura e pisos intermédios em madeira e cobertura em telha cerâmica. O piso térreo destinava-se sobretudo aos animais e alfaias agrícolas sendo o piso superior reservado à habitação. Trata-se de casas modestas com áreas exíguas e de construção rudimentar salientando-se a qualidade do conjunto arquitetônico, da sua implantação no território e não tanto pela qualidade arquitetônica individual.

A aldeia encontrava-se numa situação frágil, as construções em ruína possuíam poucas memórias do seu passado, tornou-se necessário rescrever um. Com base no existente e com uma análise do edificado na região, chegou-se a um princípio de intervenção onde se procurou recuperar a linguagem arquitetônica característica destas construções. As ampliações pontuais seguiram o princípio construtivo primitivo, tanto a nível material como no seu desenho. Pretendeu-se uma imagem coerente e homogênea para o conjunto das casas intervencionadas.

Casa 8

Casa 9

O tamanho da aldeia não permite uma grande diversidade e contraste de linguagens. A oportunidade de recuperar grande parte das construções ainda restantes revelou-se de uma enorme responsabilidade por poder constituir-se como um corpo construído de referência a futuras recuperações, como veio a verificar-se mais tarde.

O programa moldou-se à compartimentação primitiva, privilegiando-se a leitura do espaço interior na sua totalidade concentrando espaços de de serviço em pequenas “caixas”. Procurou-se preservar a escala reduzida das casas como memória e sempre que necessário, reproduziram-se as proporções destes espaços.

Casa 10

Casa 11

Procurou-se definir uma hierarquia na caracterização dos espaços recorrendo-se a dois sistemas de pormenorização distintos: o primeiro, em construções de pequena dimensão, caracteriza-se pela simplificação dos encontros entre materiais usando-se a betonilha aditivada com óxido de ferro “queimada” à colher nos pavimentos, alvenaria de pedra aparente nas paredes e tectos com os vigamentos aparentes; um segundo, em construções de maior relevância, recorre a remates em madeira como rodapés e guarnições e revestimentos de tecto em madeira tipo “Capa e Camisa”. A hierarquia na pormenorização, presente na Arquitetura Popular Portuguesa, apresenta-se neste caso relacionada com a importância do compartimento.

Para esta obra privilegiou-se a utilização de materiais de proveniência local como as madeiras autóctones como o Pinho e o Eucalipto e outros materiais como o granito amarelo da região. A mão-de-obra, proveniente da região, aplicou técnicas de construção artesanais.

Casa 12As cantarias utilizadas na ampliação dos volumes em pedra tiveram origem em demolições e foram reaproveitadas neste contexto, resultando no reaproveitamento de um material e numa melhor integração do novo em relação às alvenarias primitivas.

Casa 13

Matéria publicada por Arch Daily em 30 de janeiro de 2017

Esta entrada foi publicada em Arquitetura, Construção, Design de Interiores. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>