NOSSOS RIOS: ÁGUAS OCULTAS

Poucos sabem, mas, em São Paulo, cerca de 300 cursos correm sob o asfalto. Um geógrafo e um arquiteto querem abrir os olhos da população para essa realidade com o projeto Rios e Ruas

“NOSSO TRABALHO É EMOCIONAR AS PESSOAS E RECRIAR A AFEIÇÃO PELA NATUREZA QUE PASSA BEM DEBAIXO DE NOSSOS PÉS” (JOSÉ BUENO – ARQUITETO)

Em tempos de crise hídrica, topar com um considerável volume de água escorrendo pela sarjeta aflige qualquer um. Os mais atentos se perguntam de onde vem tamanho desperdício. Talvez a resposta seja que, naquele ponto, está tentando voltar à superfície um dos cursos que cruzam a capital paulista – número apontado pela prefeitura, porém contestado pelo geógrafo Luiz de Campos Júnior e pelo arquiteto José Bueno. Para eles, a quantia é ainda maior. Desde, os dois são os responsáveis pelo Rios e Ruas, que promove palestras e expedições urbanas para mostrar a crianças e adultos onde ficam escondidos nascentes, rios, riachos e córregos. Embora mais de se encontrem tampo nado sou canalizados, todos são visíveis. Como Luiz ensinou a José quando se conheceram, basta observar: numa região alta, onde se enxerga bastante céu, busque vegetação e temperatura amena. Plantas típicas de áreas úmidas, como taioba e tapiá, indicam que há rio por perto.  “Essas águas parecem aguardar a correção de nosso grande erro de ocultá-las, consequência da rápida expansão da malha metropolitana”, diz o arquiteto. Segundo a dupla, mesmo pequenos canais podem hidratar a cidade. “Massó serão abertos se as pessoas pedirem. Para isso, elas precisam conhecê-los”, complementa o geógrafo.

MARGENS PLÁCIDAS DO IPIRANGA

Em setembro do ano passado, a iniciativa organizou uma pedalada nas redondezas do riacho citado no Hino Nacional, que nasce entre o Zoológico de São Paulo e o Jardim Botânico e segue até desaguar no Tamanduateí.

RIACHO DAS CORUJAS

Principia na Rua Heitor Penteado e corre a céu aberto nas praças Dolores Ibarruri e Rui Washington Pereira. Uma horta comunitária, regada coma água limpa da nascente, funciona por ali.

Matéria publicada na revista Casa Claudia em maio de 2015

Esta entrada foi publicada em Cidades, Sustentabilidade, Urbanismo. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>